Menu
Brasília

Menino cego e autista transforma sons do metrô em notas musicais

Daniel nasceu cego, deficiência que foi revelada aos pais quando ele tinha 2 meses. Aos 3 anos, foi diagnosticado com autismo

Redação Jornal de Brasília

10/10/2023 18h23

Fotos: Divulgação/Metrô-DF

Por volta de 8h30, Daniel chega à estação Asa Sul do Metrô-DF em companhia da mãe, Hedrienny Cardoso. Já ansioso pelo dia especial, sentado em um banco da plataforma, ele começa a ouvir os sons dos trens passando pelos trilhos, o abrir e fechar de portas e os apitos e avisos sonoros. Reconhece cada som como uma nota musical específica. Aos 11 anos, ele cria a própria sinfonia com um universo sonoro que, para muitos, não passa de barulho.

Daniel nasceu cego, deficiência que foi revelada aos pais quando ele tinha 2 meses. Aos 3 anos, foi diagnosticado com autismo. Desde essa época, os pais perceberam uma incrível sensibilidade sonora no menino. As primeiras palavras eram sons entoados como canto. Dan, como é carinhosamente chamado, ganhou um teclado e passou a tocar “de ouvido”. Na época, ele morava em frente a uma das estações de Águas Claras. Ouvia o barulho do trem e ficava agitado. Passou a reproduzir as notas nos instrumentos.

Hoje, ele toca piano, flauta transversal e escaleta. Tem ouvido absoluto, um fenômeno auditivo que se caracteriza pela habilidade de uma pessoa identificar ou recriar notas musicais, mesmo sem referências. A nota Fá é a preferida e ele a identifica quando os trens da série 1000 do Metrô fecham as portas. Já a nota Sol, ele relaciona aos trens da série 2000. No início, considerava esta um pouco incômoda. Hoje, já está mais habituado.

Daniel cresceu aficionado pelo Metrô-DF. Seu desejo, ele mesmo conta, é ser piloto do metrô. A mãe entrou em contato com a companhia para realizar o sonho do filho de fazer uma viagem na cabine. “Esse é um momento muito especial para ele”, disse Hedrienny.

A paixão é tanta que quando encontra a equipe da companhia escalada para acompanhá-lo nessa viagem, ele pergunta a cada um: “Em que estação você mora?”. Para ele, o universo das estações é familiar e ele gosta de saber de onde cada um vem.

Atualmente morando no Jardim Botânico, Daniel já não usa o metrô tão frequentemente, mas os pais encaram como um passeio e costumam levá-lo quando ele pede, como se fosse um prêmio. Nesta terça, ele pede para embarcar com destino a Samambaia. Quanto maior o percurso, melhor.

Ao entrar na cabine do piloto de um trem da série 1000 (aquele que faz o som que ele mais gosta), Daniel se acomoda na cadeira, sorridente e animado. Ouve as instruções dos pilotos que seguem com ele nesta viagem. O trem estava fora de serviço e não levava passageiros, foi reservado para proporcionar a melhor e a mais tranquila experiência para Dan.

João Carlos Esteves, piloto da primeira turma, com 20 anos na companhia e também instrutor, fica emocionado. “É muito gratificante quando as crianças vêm conhecer nosso trabalho, em especial alguém como Dan, que tem tanto fascínio pelo sistema”, diz.

Ao longo do percurso, Daniel usa a buzina várias vezes e ele próprio entoa os avisos sonoros. Sabe de cor a ordem de todas as estações e as falas dos pilotos. Sabe de qual lado abrirão as portas quando o trem chegar em plataforma. “É impressionante. Nem nós, pilotos, decoramos tão rápido a ordem de todo o percurso”, conta Esteves.

Cursando a 5ª série em uma escola particular, Daniel estuda com o auxílio de tecnologias assistivas, como leitores de tela e sistema Braille para comunicação escrita e gráfica. Tem dois irmãos mais novos, uma menina de 9 anos, também deficiente visual e com altas habilidades para comunicação, e um menino de 7 anos.

Hedrienny faz questão de registrar a vida em família e as habilidades dos filhos em uma página no Instagram chamada @notasdadiversidade. Ali, há outras amostras da facilidade de Daniel em identificar qualquer tipo de som. Com mais de 90 mil seguidores, ele recebe sons de buzinas dos seguidores e identifica os tipos de carro. Também reproduz sons de passarinhos.

Ao fim da viagem, visivelmente emocionada, Hedrienny disse: “Acho que hoje foi o dia mais feliz da vida dele”.

Daniele Gomes Prandi, chefe do Núcleo de Desenvolvimento de Recursos Humanos, explica que o Metrô-DF provoca de fato uma curiosidade grande nas crianças. Por meio do projeto Educação dos Trilhos, a Companhia organiza visitas de escolas, com o intuito de explicar as regras de segurança no sistema.

“Mas chegam alguns pedidos especiais pela nossa Ouvidoria, principalmente de crianças com autismo. Neste caso, preparamos em conjunto com a mãe para entendermos a condição da criança e organizarmos tudo para que eles se sintam confortáveis e seguros”, acrescenta Daniele.

As informações são da Agência Brasília

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado