Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Ibaneis mantém vacinação de adolescentes no DF

Governador alerta que câmara técnica fará análise do caso. Ministério da Saúde orientou suspensão de imunização de menores de idade sem comorbidades

Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília

Willian Matos e Catarina Lima
[email protected]

Após o Ministério da Saúde orientar que seja suspensa a vacinação contra a covid-19 de adolescentes sem comorbidades no país, o governador Ibaneis Rocha se manifestou a respeito. Segundo Ibaneis, a imunização está mantida até análise da Secretaria de Saúde.

“Até que seja analisada pela câmara técnica, nós vamos manter a vacinação”, resumiu o governador. No Distrito Federal, a vacinação de adolescentes vem sendo ampliada conforme a chegada de mais vacinas da Pfizer — o único imunizante permitido para menores de idade até o momento. Jovens de 14 e 15 anos sem comorbidades foram autorizados a se vacinar recentemente e, conforme posicionamento de Ibaneis, podem continuar indo aos postos até segunda ordem.

A vacinação para adolescentes com comorbidades não foi suspensa pelo Ministério e está mantida sem previsão de suspensão ou medida similar. No DF, este grupo já está se vacinando há cerca de um mês mediante agendamento no site da Secretaria de Saúde.

A suspensão

A decisão do Ministério da Saúde de suspender a vacinação de adolescentes sem comorbidades consta em nota informativa publicada na noite de quarta-feira (12). A pasta elenca seis razões para a medida.

Uma das razões, segundo o Ministério é o fato de a Organização Mundial de Saúde (OMS) não recomendar a imunização de crianças e adolescentes. A pasta alega também que “a maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela covid-19 apresentam evolução benigna” e são assintomáticos ou têm sintomas leves.

Ainda de acordo com o Ministério, “os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos”. A pasta também leva em consideração a redução na média móvel de casos e óbitos por covid-19 no Brasil após a aceleração da vacinação de adultos nos últimos meses.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar