Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Homem que adulterava contador de quilometragem de veículos é preso

Suspeito cobrava entre R$ 100 e R$ 200 para cada veículo adulterado. Ele chegava a mexer em até 25 carros por dia

Por Willian Matos 24/09/2021 10h02
Foto: Divulgação/PCDF

A Polícia Civil (PCDF) realiza nesta sexta-feira (24) a operação Senhor do Tempo. Trata-se de uma ação para prender um homem que reduzia o número de quilômetros percorridos por veículos para que os automóveis fossem vendidos com mais facilidade.

Segundo as investigações, o homem era capaz de reduzir os números no hodômetro (aparelho que marca quantos quilômetros um carro já rodou) em cerca de 10 minutos. O suspeito pegava veículos com 300 mil km rodados, por exemplo, e reduzia para 150 mil km rodados. Ele conseguia adulterar até 25 carros por dia, cobrando entre R$ 100 e R$ 200 para cada veículo.

O homem foi preso hoje, em casa (região não informada). Ele fazia as adulterações em uma loja na Cidade do Automóvel e faturava cerca de 1 mil reais por dia. Em alguns casos, o suspeito ia até a casa do cliente para realizar o serviço — e cobrava mais caro.

Os policiais identificaram 30 veículos com quilometragem adulterada. “Esse número representa apenas uma pequena parte do que ocorre na Cidade do Automóvel, já que as investigações mostraram que muitas adulterações ocorrem em espaços reservados dos estabelecimentos, inacessíveis as equipes policiais”, afirmou o coordenador da Corpatri, André Luis da Costa e Leite.

Ainda de acordo com a PCDF, a prática criminosa chegava até a colocar pessoas em risco, uma vez que o comprador adquiria o carro pensando que o veículo havia rodado menos quilômetros do que de fato circulou. Alguns dos carros possuíam peças com desgaste.

Além da prisão do “Senhor do Tempo”, policiais também cumprem 19 mandados de busca e apreensão na Cidade do Automóvel. A PCDF investiga agora quem eram os contratantes do homem responsável pela adulteração. Os suspeitos poderão responder pelos crimes de associação criminosa, estelionato e crimes contra a relação de consumo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar