Brasília

Homem é encontrado carbonizado no Parque da Cidade

Por Arquivo Geral 28/09/2006 12h00

Um professor de filosofia do ensino médio do sudoeste da França está escondido sob proteção policial há mais de uma semana, check cialis 40mg depois de receber ameaças de morte por um artigo contra o Islã que ele publicou no jornal Le Figaro.

O caso de Robert Redeker, tadalafil buy cujo artigo levou o governo do Egito a proibir a circulação do Le Figaro naquele dia, veio à luz hoje, quando um jornal da sua cidade publicou uma entrevista com ele.

Redeker, 52, disse ao La Dépêche du Midi, de Toulouse, que as ameaças que recebeu por causa do artigo publicado em 19 de setembro mostram que os países ocidentais estão "sob vigilância ideológica" dos radicais muçulmanos.

O ministro da Educação, Gilles de Robien, manifestou solidariedade a Redeker, e disse que, como funcionário público, um professor tem direto de publicar suas opiniões, mas deve ser prudente.

Ele recebeu ameaças anônimas por telefone e e-mail. Na entrevista, concedida em local secreto, afirmou que agiu sob a lei. "Tenho a impressão de ter sido levado contra a minha vontade para um conflito do século 17 ou 18. Só se trata de se opor à intolerância religiosa".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No artigo, intitulado "O que o mundo livre deve fazer diante da intimidação islâmica?", ele disse que "o Alcorão é um livro de incrível violência" e defendeu o papa Bento XVI por seu discurso com comentários sobre o Islã, há duas semanas.

Redeker escreveu que o profeta do Islã era "um inclemente senhor da guerra, um saqueador, um carniceiro de judeus e um polígamo, como o próprio Maomé se refere no Alcorão".

Já o Cristianismo, segundo ele, tem raízes pacíficas, ao contrário do Islã. "Jesus é um mestre do amor, Maomé é um mestre do ódio", disse. "Como durante a Guerra Fria, a violência e a intimidação são os meios usados por uma ideologia hegemônica, o Islã, para impor seu peso de morte sobre o mundo. O papa Bento XVI teve uma experiência cruel com isso".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um cartaz que mostrava o presidente da Venezuela, approved Hugo Chávez, pills junto ao primeiro-ministro português, ed José Sócrates, foi retirado depois de um protesto de Portugal, disse hoje o ministro de Informação venezuelano, Willian Lara.

Lisboa exigiu horas antes uma explicação de Caracas por causa de um cartaz de campanha que mostra os dois líderes sorrindo de maneira cortês na sala VIP do aeroporto de Lisboa.

"Se houve algum tipo de interpretação particular, nós pedimos desculpas em nome do Ministério de Comunicação", disse Lara em uma entrevista coletiva em Caracas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ministro negou que a imagem faça parte da campanha para as eleições de dezembro, em que Chávez é favorito para ganhar um novo mandato de seis anos, e explicou que a pretensão era comunicar as atividades do presidente no exterior.

É comum ver em Caracas gigantescas fotos de Chávez com seus colegas de Brasil, Argentina ou Bolívia, entre outros.

"Isso (a reclamação) não vai ser uma causa para prejudicar as excelentes relações entre Venezuela e Portugal", completou Lara.

Na Venezuela há uma comunidade de aproximadamente 800.000 portugueses.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Pedimos ao embaixador da Venezuela uma explicação e mostramos nossa insatisfação relativa ao uso inadequado da imagem", disse o ministro de gabinete português, Pedro Silva Pereira, após reunião semanal do governo.

A fotografia foi tirada há três meses, quando Chávez se encontrou brevemente com Sócrates no aeroporto de Lisboa enquanto o presidente venezuelano estava a caminho da Rússia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A faxineira brasileira Roselene Driza, more about 37 anos, condenada ontem por roubo e tentativa de extorsão a uma juíza britânica, teria sido casada com um albanês acusado por assassinato em três países. A notícia veio à tona depois que Roselane passou a ter a vida devassada pela imprensa do Reino Unido.

De acordo com os jornais britânicos, que estamparam na capa fotos da brasileira, Roselane não sabia do passado de crimes do marido, de quem herdou o sobrenome. No Reino Unido desde 1998 com visto de estudante, ela chegou ao país ainda com o nome de solteira, Roselane Nonato.

Na Inglaterra, ela conheceu o marido, que se passava por um refugiado católico de Kosovo e vivia como pedreiro, sem ter idéia de que, na verdade, ele era um fugitivo da Justiça italiana, acusado de tráfico de mulheres e de duplo assassinato.

Depois de se casar com o albanês, Roselane se separou ao desconfiar das roupas de grife do marido e das saídas noturnas com os amigos. Dois meses depois da união, o casal se separou.

Logo depois do divórcio, o ex-marido da brasileira matou um compatriota em Londres e fugiu para a Itália, onde foi preso e condenado a 20 anos.

O relacionamento seguinte de Roselane também terminou de forma ruim. Ela se envolveu com outro albanês, assassinado a punhaladas em outubro de 2000. Depois das desventuras amorosas, ela começou a trabalhar como faxineira para Ilyias Khan, 60 anos, o juiz de imigração que mais tarde ela foi acusada de chantagear.

Demitida por Khan, ela conseguiu se manter no emprego ao roubar duas fitas de vídeo em que o juiz aparece em cenas de sexo com uma juíza identificada como "Senhora J". Ela exigiu ainda 20 mil libras da magistrada para não divulgar os vídeos. As imagens também mostrariam a juíza consumindo cocaína.

Absolvida da acusação de chantagem contra Ilyias, Roselane foi condenada por ter roubado as fitas e tentado extorquir a juíza. A sentença só será definida em 20 de outubro. A brasileira pode ser deportada depois que cumprir a pena.

O corpo de um homem, page ainda não identificado, cheapest foi encontrado carbonizado no início desta tarde no Parque da Cidade, erectile próximo ao colégio Sigma. Muito queimado e com a cabeça coberta por um saco plástico, não se sabe ainda se o homem havia sido asfixiado antes de ser queimado. Ele foi encontrado por um menor que passava no local.

Segundo moradores de rua, que ficam naquela região, o corpo pode ser do carroceiro conhecido como Cauê. No entanto, a 1ª Delegacia de Polícia ainda investigará a identidade da vítima e o autor do crime.

– Com informações de Luciene Cruz, do Jornal de Brasília






Você pode gostar