Brasília

Vídeo: flanelinha é preso por extorsão em estacionamento da Asa Sul

Por Arquivo Geral 26/09/2018 7h24
Depois dessa denúncia, a polícia civil descobriu outros esquemas de extorsão praticados por flanelinhas em estacionamentos do Setor Hospitalar Sul. Foto: PCDF/ Divulgação

Redação
[email protected]

Um flanelinha que cuidava de carros no estacionamento de terra batida no Setor Hospitalar Sul foi preso nesta quarta-feira (26). Os policiais civis da 1ª Delegacia de Polícia (DP) foram ao local para deter Marlon Rodrigues de Araújo, 27 anos, acusado de extorsão.

Na última terça-feira, uma mulher havia denunciado o flanelinha, pois encontrou os pneus do carro esvaziados logo depois que ela havia se recusado a pagar o preço cobrado por Marlon para vigiar o automóvel. Segundo o delegado da 1ª DP Paulo Fecury, na manhã desta quarta-feira a vítima sofreu outra tentativa de extorsão. Desta vez, ela fez um vídeo do momento do bate-boca. A polícia foi atrás do flanelinha assim que recebeu a gravação. A mulher afirmou também que o guardador de carros ameaçou a jogar pedras nela.

No vídeo feito pela vítima, é possível acompanhar a discussão entre a mulher e Marlon em um estacionamento. Ela diversas vezes indaga: “Você é dono daqui?” e “Por que você quer me obrigar a pagar a você?”. Então o flanelinha responde: “Quer dizer que você não pode dar 10 real, 5 ou 2 real” e a mulher retruca novamente: “Você não pode me obrigar a dar dinheiro para você”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois da denúncia sobre a extorsão praticada pelo flanelinha, a polícia teve acesso a outras queixas semelhantes feitas por meio da Ouvidoria do Governo do Distrito Federal. Na mesma região, há acusações de que outros guardadores de carro fazem o mesmo tipo de abordagem e, em alguns casos, quando a vítima afirma não ter dinheiro em espécie, oferecem máquinas de cartão de crédito e débito para receberem o pagamento.

Outra ação praticada pelos flanelinhas do Setor Hospitalar Sul é cobrar uma mensalidade para os donos de automóveis. Segundo a vítima de Marlon de Araújo, ele pedia R$ 30 para cuidar do carro no mês e podia dar um desconto de até R$ 5.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar