Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Educação: decisão da volta gera polêmica

Ibaneis confirma retorno de 100% dos estudantes da rede pública e surpreende profissionais da educação e pais

Gabriel de Sousa/ Jornal de Brasília

Gabriel de Sousa e Geovanna Bispo
[email protected]

3 de novembro. Esse é o dia em que o Governo do Distrito Federal (GDF) determinou que as escolas da rede pública de ensino voltarão a ter 100% de presença dos alunos. De acordo com a secretária da Educação, Hélvia Paranaguá, o governador Ibaneis Rocha (MDB) irá publicar um decreto retirandomedidas restritivas que impedem o retorno das aulas presenciais com a total presença dos alunos nas instituições.

Desde o dia 5 de agosto, as escolas públicas adotavam um sistema híbrido de ensino, onde metade das turmas iam para as escolas presencialmente, enquanto a outra parte acompanhava os conteúdos dentro das suas residências. O modelo foi adotado pelos órgãos administrativos da educação, para garantir um melhor distanciamento social entre os alunos, professores e servidores.

A última vez em que as escolas públicas do Distrito Federal funcionaram com 100% da presença dos seus estudantes, foi no dia 11 de março de 2020, há quase 600 dias. Durante esse período, suspensões de atividades e aulas virtuais e híbridas, fizeram parte do cotidiano dos alunos da rede pública do DF.

Em uma entrevista concedida ao Jornal de Brasília, o governador Ibaneis Rocha (MDB) disse que a decisão foi tomada a partir da análise de dados referentes à covid-19 no DF. “O avanço da vacinação e as baixas taxas de transmissão”. Atualmente, 2.238.936 brasilienses já receberam a primeira dose da va cina contra o coronavírus, enquanto 1.486.995 já estão com o esquema vacinal completo. Já a taxa de transmissão está em 0,80, segundo dados da Secretaria de Saúde. Os números acima de 1, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), classificam que o vírus está fora de controle.

Perguntada pela equipe de reportagem do JBr, a Secretaria da Educação do Distrito Federal disse que concorda e apoia integralmente a decisão do governador e a cumprirá com afinco. O governador Ibaneis Rocha (MDB), informou à reportagem que os protocolos como uso de máscaras e lavagens de mãos serão mantidos.

O Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF) afirmou que recebeu o anúncio da medida da Secretaria de Educação por meio da imprensa. Segundo eles, a notícia causou “muita estranheza e preocupação.” O Sindicato afirma que as escolas não possuem a menor condição de garantir o distanciamento social.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Sinpro afirmou que a decisão do governo distrital poderia ter sido postergada. O mês de novembro é o penúltimo mês do ano letivo escolar, e segundo a sindicância, uma mudança de grandes proporções como a proposta pela Secretaria de Educação é “desnecessária”: “Não podemos dar tratamento como se não houvesse mais pandemia, e como se o vírus não estivesse mais entre nós.”

“Fiquei bem surpresa, não esperava”

No Centro de Ensino Médio 01 de Planaltina, a notícia da decisão da Secretaria de Educação foi recebida com surpresa por alunos e diretores. Um grupo de adolescentes, que estavam no horário de saída da instituição, disse que, durante a aula, a notícia se espalhou rapidamente entre os estudantes e servidores. “Foi uma surpresa, a gente não estava esperando por isso, parecia até que era uma notícia falsa”, afirmou uma delas.

De acordo com Nedma Guimarães, diretora da escola, em questões estruturais, o Centro de Ensino Médio 01 de Planaltina está razoavelmente pronto para receber todos os estudantes. Porém, de acordo com Nedma, outros aspectos devem ser avaliados. “Nossas turmas são numerosas, temos turmas que não vão caber na sala, teremos que fazer várias adequações. Ainda paira a dúvida: não haverá mais o distanciamento?”, afirma.

A diretora relembra também que outro assunto a ser relembrado é a locomoção dos alunos: “ O transporte público em Planaltina é deficitário, muitos alunos se atrasam por causa dos ônibus lotados.” Segundo Nedma, muitas dificuldades sociais afetam diretamente os seus alunos. “Em especial o financeiro, que os levaram a ter que trabalhar ou estagiar para ajudar em casa. Alunos que passaram a cuidar de seus irmãos mais novos ou filhos. A alternância das aulas tem até mesmo ajudado nisso”, afirma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Saiba Mais

  • Estão prorrogadas até 31 de outubro as inscrições para alunos novatos na rede pública de ensino. O prazo se encerraria ontem, mas, diante dos muitos relatos de dificuldades de acesso no número 156, feitos por pais e responsáveis, a secretária de Educação, Hélvia Paranaguá, determinou a prorrogação por uma semana.
  • O novo prazo vale tanto para a telematrícula pelo número 156 opção 2 quanto pelo site da secretaria, que continuará aberto às inscrições, que funcionam como pré-matrícula.








Você pode gostar