Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

DF tem alta de 300% no número de condutores embriagados

Dados também mostram que, em março de 2018, o número de alcoolemia foi 324. Em 2019, esse número dobrou e parou em 738 casos registrados

Ana Carolina Tomé
(Jornal de Brasília / Agência de Notícias CEUB)

Somente no mês de março deste ano o DF registrou 1.895 casos de pessoas dirigindo alcoolizadas. Uma alta de mais de 300% comparado à média do mesmo período nos últimos quatro anos. Os dados são do portal de dados abertos e mostra os casos registrados de infrações cometidas nas vias urbanas do Distrito Federal.

Além disso, a base de microdados de alcoolemia no DF apontam que nos primeiros três meses deste ano já foram registrados entre os condutores, quase 5 mil casos de pessoas dirigindo sob efeito de álcool. O maior número já registrado no primeiro trimestre (entre os meses de janeiro a março) desde 2018.

Dados também mostram que, em março de 2018, o número de alcoolemia foi 324. Em 2019, esse número dobrou e parou em 738 casos registrados. O número teve uma queda de 621 autuações em março de 2020, mas voltou a crescer em março de 2021, com 621 casos e disparou em 2022 – 1.895 registros.

De acordo com os dados abertos de infrações cometidas no DF, já são mais de 48 mil autuações por alcoolemia entre 2018 e março de 2022. A capital vem recebendo maior fiscalização no trânsito e por isso também o número de autuações tem crescido.

Números continuam altos em 2022 e o uso de bafômetro ganha força desde 2018

Uma operação recente realizada na última semana do mês de maio, entre a Polícia Militar do DF, o Departamento de Trânsito (Detran-DF) e o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF) verificou que dos 1.625 carros fiscalizados, 16% tiveram autuação por motoristas dirigindo embriagados.

Em 2021, também no mês de maio, o DF registrou 1.535 casos de alcoolemia. Foram 14.743 autuações anuais na capital. No Brasil, sobre detenções diversas em rodovias, alcoolemia é a infração que lidera. Das 42.144 pessoas detidas em 2021, 12% foram de pessoas dirigindo sob efeito de álcool.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CBT), dirigir alcoolizado é uma infração gravíssima. Na ação, a CNH do condutor é recolhida e o veículo é retido. Dessa forma, o motorista fica suspenso de dirigir por um período de um ano e o valor da multa pode chegar a até 3 mil reais.

Bafômetro

A operação Lei Seca no Brasil em 2018 teve o objetivo de intensificar a fiscalização de pessoas dirigindo alcoolizadas no país. Antes dessa abordagem – de tolerância zero – era muito difícil ter blitz em que os agentes estivessem equipados com o aparelho do bafômetro.

Na ocasião, as autoridades planejam um cronograma com locais e datas específicas para fazer a blitz – informações que não são divulgadas publicamente. O condutor que for parado deve apresentar documentos e é convidado a fazer o teste do bafômetro.

O motorista só será autuado se o resultado do seu teste for de 0,05 gramas de álcool por litro de ar alveolar. Para os que se negarem a fazer o teste, a penalidade é a mesma para quem obter resultado positivo após soprar o aparelho. A CNH do condutor é recolhida e o veículo é retido. Dessa forma, o motorista fica suspenso de dirigir por um período de um ano e o valor da multa pode chegar a até R$ 3 mil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar