fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Polícia identifica suspeitos de pedofilia com estudantes adolescentes no Ceará

Professor está entre os suspeitos de compartilhar imagens pornográficas de alunas

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Fernando Ribeiro
Especial para o Jornal de Brasília

A Polícia Civil do Ceará já identificou diversos envolvidos em um escândalo sexual que vitimou adolescentes e jovens estudantes de várias escolas particulares de Fortaleza e de cidades das regiões Norte e Sul (Cariri) do estado.

Até professores de colégios particulares foram identificados e um deles já demitido pela direção do estabelecimento de ensino. O Departamento de Inteligência Policial (DIP) auxilia a Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dececa) nas diligências presenciais e virtuais.

O escândalo no Ceará já tem repercussão nacional. O crime foi descoberto a partir de denúncias feitas pelas próprias vítimas e amigas em um aplicativo de celular.

Ao tomar conhecimento do fato, o secretário da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, delegado federal André Costa, determinou à Delegacia Geral da Polícia Civil a imediata apuração do caso e a identificação dos responsáveis.

A Polícia já sabe que adultos e adolescentes participavam do crime que consistia no compartilhamento de imagens pornográficas (fotografias e vídeos) de jovens e adolescentes, garotas das classes média e alta que foram convencidas pelos pedófilos a fornecer as imagens a administradores de um grupo criado no aplicativo WhatsApp exclusivamente para difundir o conteúdo pornográfico. No relato das vítimas, os autores do crime chegavam a chantagear e ameaçar as garotas para que elas não tornassem público o caso.

As primeiras denúncias surgiram na Região do Cariri, chegara, à Fortaleza e, também nesta terça-feira (23), surgiram indícios de que o caso também teve registro na cidade de Sobral, na Região Norte do estado.  

Denunciar é fundamental

A delegada de Polícia Civil, Rena Gomes, informou que, “é importantíssimo que as vítimas compareçam à delegacia. A Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dececa) está á frente dessas investigações. Ela é o ponto de partida das investigações, mas, se, posteriormente, foram identificadas vítimas maiores (de idade), elas serão encaminhadas a delegacias pertinentes”.

“O que nós estamos precisando neste momento é que as vítimas que estão passando por esta situação procurem denunciar, busquem a delegacia”, completou.

Brasília

Há cerca de um mês, estudantes e ex-estudantes da rede Projeção fizeram campanha parecida, denunciando mais de um professor nas redes sociais. Os relatos foram muitos, conforme levantado pelo Jornal de Brasília à época.

Na ocasião, o Projeção optou por demitir professores envolvidos no escândalo.

Com informações do site CN7.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade