fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Butantan diz que Anvisa retarda importação de matéria-prima e impede fabricação da vacina chinesa no Brasil

Com isso, a vacina poderia começar a ser aplicada em milhares de pessoas tão logo a sua eficácia em testes clínicos fosse comprovada, o que pode acontecer antes do fim do ano

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Mônica Bergamo
São Paulo, SP

O diretor-geral do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirma que a Anvisa está retardando a autorização para a importação da matéria-prima da farmacêutica Sinovac que possibilitará a fabricação da vacina chinesa no Brasil.

O plano original do instituto é receber em outubro 6 milhões de doses do imunizante Coronavac já prontos. E fabricar no Brasil, até dezembro, as outras 40 milhões de doses a partir da matéria-prima que chegaria da China.

Com isso, a vacina poderia começar a ser aplicada em milhares de pessoas tão logo a sua eficácia em testes clínicos fosse comprovada, o que pode acontecer antes do fim do ano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dimas Covas afirma que enviou um pedido formal de liberação excepcional da importação do produto no dia 23 de setembro. E diz que, nesta quinta (22), recebeu a informação de que o assunto só será tratado em uma reunião marcada para o dia 11 de novembro.

“Estou inconformado e ansioso”, afirma ele. “Uma liberação que ocorre em dois meses deixa de ser excepcional”, segue.

“A fábrica do Butantan já está pronta para produzir a vacina”, diz . “Estamos esperando apenas a autorização para importar a matéria-prima e começar o processo.”

Ele explica que, entre a chegada da matéria-prima, a fabricação, os testes de qualidade e a liberação da vacina são necessários cerca de 45 dias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Caso a liberação só saia em novembro, a produção das primeiras doses do imunizante só será finalizada em janeiro.

Ou seja, mesmo que testes mostrem que ela é segura e eficaz, não haverá quantidade disponível de vacina para uma imunização em larga escala da população.

Na quarta (21), o presidente Jair Bolsonaro partiu para o ataque à vacina chinesa e cancelou um protocolo de intenções firmado entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan para a aquisição da Coronavac e posterior distribuição dela pelo SUS.

Bolsonaro definiu o imunizante como “vacina chinesa do [João] Doria” e ainda colocou o produto sob suspeição ao dizer que ele vem da China e que “esse vírus teria nascido lá”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Questionada, a Anvisa ainda não se manifestou.

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade