Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Ercoara Cordeiro e Vinho, um paraíso enogastronômico

Tive a oportunidade de vivenciar um sábado cheio de aromas e sabores e vou comentar sobre minha experiência

Foto: Cynthia Malacarne

Não é preciso viajar para outra cidade, estado ou país para ter uma experiência envolvendo natureza, vinhedos, gastronomia e vinhos. Localizada a 90 km a partir da Rodoviária do Plano Piloto está a Fazenda Ercoara, que se dedica à criação de ovinos, produção de queijos de ovelhas e elaboração de vinhos.

Aos sábados, a Ercoara abre as portas para os visitantes terem uma programação intensa com vivência no vinhedo, explicação sobre o modo de criação dos ovinos, produção dos queijos, além do almoço harmonizado com os vinhos elaborados ali e com outros rótulos de produtores brasileiros.

O projeto é familiar, os sócios e todos os familiares estão envolvidos: Erbert Correia de Araújo (Bebeto), com sua mãe, Marcleide Araújo, e esposa Mariana Melendez; Rodrigo Sucena e sua esposa, Renata Melendez Sucena; e Eric Correia Araújo e Rebeca Yano. Sente-se o carinho dos sócios desde a recepção, atendimento e sabor da comida. As crianças são super bem-vindas e possuem uma programação própria com as ovelhas.

Rodrigo Sucena e Erbert Correia de Araújo (Bebeto). Foto: Fernanda Meirelles

Tive a oportunidade de vivenciar um sábado cheio de aromas e sabores e vou comentar sobre minha experiência. A programação começa ainda em Brasília, escolhi ir no transporte da Enotur Brasília que leva e traz todos os visitantes. Este serviço não está incluído no pacote e precisa ser pago à parte — no fim do artigo vou deixar o contato para quem se interessar.

Logo na chegada, o visitante é recebido com uma tábua de queijos, charcuteria e doces produzidos na fazenda ou na região. Em seguida, passamos para o vinhedo, onde o Rodrigo explica como cultivam a uva e elaboram os vinhos.

Rodrigo Sucena, sócio da Ercoara. Foto: Cynthia Malacarne

Depois, ouvimos a explicação do outro sócio, Bebeto, sobre a criação dos ovinos, produção do leite e abate. Todo o cuidado e respeito que possuem com os animais é impressionante. Os cães da raça Border Collie são um espetáculo a parte, ajudando a pastorar as ovelhas.

Bebeto explicando sobre a criação dos ovinos. Foto: Fernanda Meireles

Chegada a hora do tão esperando almoço, a cozinha estava sob o comando das chefs Patricia Messias e Samyra Almeida. Todos os pratos tinham o ingrediente principal da casa, o cordeiro. Era um menu de 5 passos, todos muito bem executados e deliciosos. A sobremesa, elaborada com doce de leite de ovelha, estava divina. Durante cada etapa do menu, servia-se um vinho para acompanhar, alguns da Ercora, outros, de parceiros. Todos harmonizaram muito bem com os pratos. Para quem não tem muito conhecimento sobre os vinhos das regiões sudeste, centro-oeste e até nordeste, é uma ótima oportunidade para provar e desfazer-se de preconceitos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Foto: Cynthia Malacarne

Preciso falar um pouco dos vinhos Ercoara. Vou citar apenas os que provei, mas existem outros. O rosé Canindé Syrah, delicioso, fresco, com persistência no paladar, excelente opção para um dia quente no Cerrado. O nome Canindé em homenagem a Arara-Canindé que habita a região. Preço: R$ 119.

Divulgação

O tinto Tapiocana, da variedade Syrah, vinificado em tanques de aço inoxidável, sem passagem por madeira, é um vinho fácil de beber, mas nem por isso simples. Possui complexidade aromática e de sabor. Este vinho acompanhou muito bem o prato de cuscuz do cerrado com guisado de cordeiro. Preço: R$ 159.

O ícone da vinícola é o Maná 2021, elaborado com a casta Syrah. Este vinho passou por um processo de maceração com as cascas durante três semanas. 60% do mosto ficou maturando durante 18 em barricas de carvalho francês novas, e os outros 40% ficaram pelo mesmo período em barricas de carvalho francês usadas. É um vinho com bastante estrutura, taninos acentuados, elegante. Harmonizou perfeitamente com o cordeiro assado. Preço do vinho: R$ 209.

Divulgação

Após o almoço, a experiência segue com música ao vivo. Neste dia, se apresentou o cantor Dadá Quixabeira, junto com Mariana e Renata Melendez.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Dadá Quixabeira, Maria e Renata Melendez. Foto: Fernanda Meirelles

Por fim, regressamos às 18h com a van da Enotur, em segurança.

A experiência é realmente inesquecível, irei repetir em breve. Para participar dessa vivência na Ercoara, é preciso fazer reserva pelo telefone (61) 99815-5650, ou pelo perfil @ercoara no Instagram. Quanto ao serviço de transporte da Enotur, a reserva é feita através do número (61) 98138-2346 ou do perfil @enoturbrasilia.

Garibaldi lança seu primeiro espumante nature

À primeira vista, o novo espumante a ingressar no mix de produtos elaborados pela Cooperativa Vinícola Garibaldi chama a atenção pelo nome diferente: Garibaldi VG Nature Blanc de Blanc. De fato, é preciso destrinchar algumas nuances sobre as nomenclaturas que estampam o rótulo da bebida. O termo Nature designa os espumantes com até 3 gramas de açúcar por litro, conforme determina a legislação nacional. “Blanc de Blanc”, por sua vez, significa que o espumante é elaborado apenas com uvas brancas. Embora essa definição acompanhe há pouco tempo a vitivinicultura nacional, é uma expressão utilizada desde os anos 1940 na França, onde, mesmo lá, só foi reconhecida pela legislação da região de Champagne a partir da segunda década deste século.

Foto: Divulgação

Há, ainda, outras particularidades para o espumante Garibaldi VG Nature Blanc de Blanc. Criada para a linha premium VG, a bebida é o primeiro Espumante Nature da marca gaúcha. Nesse tipo de espumante, a qualidade da uva é ainda mais importante para a obtenção de um bom vinho base, com acidez equilibrada de forma que, mesmo com baixo conteúdo de açúcar, haja uma perfeita harmonia em seu paladar. Assim, sem a adição do açúcar no licor de expedição, uma solução para definir o estilo do espumante – Extra Brut, Brut, Demi Sec –, restará apenas o açúcar residual da segunda fermentação. “É um espumante que mesmo com baixíssimo conteúdo de açúcar, revela bom frescor e cremosidade, características fundamentais para um bom espumante”, observa o enólogo chefe da Cooperativa, Ricardo Morari.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Garibaldi VG Nature Blanc de Blanc é elaborado 100% com uvas Chardonnay, colhidas de vinhedos em espaldeira. Esse sistema ajuda a proporcionar uma melhor e mais lenta maturação, de modo a auxiliar o vinhedo a preservar qualidades como acidez e frescor da uva. Elaborado pelo método Charmat Longo, permite aproximar as características do espumante ao método Tradicional, já que ele permanece por 12 meses em contato com as leveduras no tanque, favorecendo a autólise. “Isso traz grande complexidade à bebida, obtendo também boa cremosidade e elegância”, diz Morari.

Foto: Divulgação

Dessa forma, o Nature é um espumante que agrada muito os consumidores iniciados no mundo do vinho, com um paladar mais desenvolvido. Visualmente, o VG Nature Blanc de Blanc tem coloração amarelo palha com reflexos levemente esverdeados e borbulhas finas e persistentes, com boa formação de coroa, enquanto no olfato os aromas são de intensidade média-alta, com notas frescas mescladas com toques tostados, mel, damasco e amêndoas. Já em boca, a bebida se destaca pela cremosidade, com bom frescor proporcionado por uma acidez equilibrada, e pela boa persistência. Para a harmonização, a cooperativa indica carnes brancas, peixes, frutos do mar e aves, além de queijos maturados.

O lançamento está disponível no complexo enoturístico da Cooperativa Vinícola Garibaldi, nos parceiros de vendas on-line da marca através do site e também já disponível no PDV. O valor sugerido é a partir de R$ 72 a garrafa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar