Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Quinto Ato

Shakespeare para todos

A obra completa de Shakespeare é formada por 39 peças teatrais, 5 poemas e os 154 sonetos. Existe também um fragmento chamado Sir Thomas More

Por Theófilo Silva 03/03/2021 4h26
Shakespeare para todos Willian Shakespeare

Acaba de chegar às livrarias uma nova tradução das peças de Shakespeare. Trata-se do denominado Pacote Um, um bloco que envolve vinte obras do Bardo de Stratford, sendo composto por dezenove volumes das peças teatrais e um com os célebres 154 Sonetos. O trabalho é de autoria do Professor (aposentado) Elvio Funck, da UFGRS e Unisinos. As obras (Ed. Movimento-RS) estão disponíveis e podem ser adquiridas individualmente ou em bloco (com desconto).

A obra completa de Shakespeare é formada por 39 peças teatrais, 5 poemas e os 154 sonetos. Existe também um fragmento chamado Sir Thomas More.

Pois muito bem, existem três traduções das obras completas de Shakespeare no Brasil, a saber: por Carlos Alberto Nunes, Fernando Cunha Medeiros e Bárbara Heliodora, todas publicadas pela célebre Editora Aguillar, cada um delas em três volumes. Todas essas traduções respeitáveis e admiráveis não são exatamente trabalho de uma única pessoa, apresentando algumas curiosidades. Até agora ninguém traduziu sozinho toda a obra de Shakespeare no Brasil. Carlos Alberto Nunes traduziu 37 peças, e não traduziu os poemas e sonetos; Fernando Medeiros traduziu 37 peças, mas os poemas e sonetos foram traduzidos por Oscar Mendes; Bárbara Heliodora faleceu um pouquinho antes de traduzir todas as peças, e também não traduziu os poemas e os Sonetos. Isso não diminui em nada o maravilhoso trabalho realizado por esses hermeneutas Shakespearianos. São ótimas traduções que merecem ser lidas, tendo cada uma delas suas particularidades.

Existem também dezenas de outros estudiosos que traduziram uma, duas, ou quatro peças, caso de Millôr Fernandes, e ou de Beatriz Viégas-Faria que traduziu vinte delas. Assim, enfaixando todas as peças e poemas até agora ninguém o fez.

Pois bem, Elvio Funck enfrentou esse desafio. Se ele o fizer poderíamos chamar de os Doze trabalhos de Hércules. Ele agora está preparando o Segundo Pacote: já foram lançados Como Gostais e a Comédia dos Erros, e em breve as tragédias Tímon de Atenas e Tito Andrônico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A obra teatral de Shakespeare apresenta, entre outras curiosidades, o fato de ser composta quase toda em versos, algo em torno de 80% é poesia pura. Isso cria um desafio enorme para os tradutores. Sacrificar a semântica traduzindo em versos? Ou traduzi-la em prosa? Como a língua inglesa é extremamente monossilábica, apresentando enormes dificuldades, é uma pergunta que vários tradutores se fazem na hora de realizar o trabalho.

As traduções de Elvio Funck são interlineares. Isso permite que o leitor compare linha a linha a qualidade da tradução. E suas traduções são em prosa, muito embora ele traduza os trechos de pura poesia em versos também. O recurso da interlinearidade permite ao leitor, inclusive aquele que não conhece bem o Bardo, a se aproximar mais da riqueza do pensamento de Shakespeare. Outro recurso muito importante para ajudar na compreensão são as chamadas notas de rodapé, as notas explicativas, que permeiam em grande abundância nas traduções de Elvio Funck. Essas notas permitem ao leitor um mergulho mais profundo na linguagem, no universo Shakespeariano.

Não posso deixar de dizer também que ele traduz tentando ajudar o leitor de língua portuguesa, facilitando a leitura, já que muitas traduções são extremamente eruditas, quase inalcançáveis ao leitor comum, dado o conteúdo camaleônico da obra Shakespeariana, que se transmuta o tempo todo, por mais incrível que isso possa parecer.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Portanto, indico, recomendo esse excelente trabalho do professor Elvio Funck. Elvio é, talvez, e digo sem exagero, o maior Shakespeariano do Brasil. Nesse momento em que não podemos circular nem aglomerar, vamos aproveitar e ler Shakespeare no conforto de nossas casas.

Shakespeare nos ajuda a combater a ignorância e o negacionismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar