Siga o Jornal de Brasília

Professor M.

O dia em que a empresa parou

Maluco que sou, sonhei com o dia em que a empresa parou e melhorei as melhorias, otimizei o ótimo e organizei a organização.

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

 

Parece papo de maluco esse de ‘o dia em que empresas parou’ mas, na verdade, pode ser o desejo de muitos gestores: parar o tempo para resolver problemas e se preparar melhor para aproveitar as oportunidades.

Como em um sonho, eu congelo o ambiente interno e externo da empresa para conseguir melhorar o melhor, otimizar o ótimo, organizar a organização, evoluir a evolução, vencer a vitória, desenvolver o desenvolvimento e conquistar a conquista.

Nós sabemos que esse imaginável de congelar o tempo é improvável e impossível, já que o mundo, o mercado, os clientes e a organização não param. Fazemos como no ditado popular: trocar o pneu com o carro andando!

‘O dia em que a empresas parou’ é uma provocação ao desejo de podermos parar o tempo e conseguirmos realizar as ações necessárias para a evolução e perenidade da organização.

Raul ‘Administrador’ Seixas

A inspiração para essa provocação de parar a empresa vem da música ‘O dia em que a terra parou’, de Raul Seixas (1945 a 1989), que foi um cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista brasileiro, frequentemente considerado um dos pioneiros do rock brasileiro.

A qualificação ‘pioneiro’ para Raul Seixas, que no dicionário Priberam significa, que ou quem primeiro desbrava; que ou quem vai à frente; que ou quem prepara os resultados futuros, é uma ótima qualidade profissional no meio organizacional.

Esse adjetivo é totalmente aplicável tanto para artistas quanto para administradores e gestores organizacionais e empresariais. Como diz o dicionário Michaelis: que ou aquele que anuncia algo de novo, antecipando-se aos demais de sua área de conhecimento; precursor.

O pioneiro Raul Seixas proclamou um dia o sonho de administradores e gestores sonhadores:

No dia em que todas as pessoas,

Do planeta inteiro,

Resolveram que ninguém ia sair de casa,

Como que se fosse combinado em todo o planeta.

Naquele dia, ninguém saiu de casa, ninguém ninguém…

O empregado não saiu pro seu trabalho,

Pois sabia que o patrão também não tava lá,

Dona de casa não saiu pra comprar pão,

Pois sabia que o padeiro também não tava lá…

No dia em que a Terra parou.”

Como não é possível pararmos o tempo, até que a física quântica prove o contrário, devemos criar mecanismos para lidar com as oportunidades, ameaças, fraquezas e força simultaneamente e dinamicamente.

O tempo empresarial não para

É realmente uma utopia como administradores considerarmos a possibilidade de darmos uma pausa no tempo empresarial para conseguirmos realizar ações necessárias para a evolução e perenidade da organização e resolvermos problemas.

A realidade nos mostra a necessidade de exercitarmos a gestão do tempo de forma efetiva, procurando sempre otimizar os recursos da organização, sejam eles pessoas, materiais, móveis, imóveis e tecnologia da informação e comunicação.

Existem diversas ferramentas, técnicas e instrumentos de gestão do tempo para utilização nas organizações, da qual podemos focar em alguns temas relevantes para administrarmos, que fazem toda a diferença no sucesso da empresa:

– Planejar e organizar tarefas;

– Definir metas, prazos, prioridades, métricas e resultados;

– Determinar responsabilidades e incumbências;

– Implantar controles e monitoramentos;

– Otimizar e evoluir com a tecnologia;

– Aprimorar o modelo organizacional.

Administrar bem o tempo pode gerar benefícios valiosos para a organização, tais como:

– Aumentar a produtividade;

– Conquistar clientes e mercados;

– Reduzir erros e perdas operacionais;

– Otimizar os recursos organizacionais;

– Melhorar o clima organizacional;

– Investir mais no tempo criativo e inovativo das pessoas.

No artigo ‘Problemas empresariais são diferentes’ falamos sobre a possibilidade de problemas poderem ser resolvidos de forma diferente, por pessoas e grupos diferentes dentro das Empresas.

No texto “Dez fatores de sucesso da inovação” tratamos sobre questões necessárias de serem observadas para se obter o sucesso de uma inovação nas organizações, convergente ao tempo em movimento.

São abordagens que apresentam possibilidades práticas e plausíveis de resolver problemas e aproveitar oportunidades de negócios (financeiros ou sociais) com o tempo que dispomos para administrar uma organização.

O tempo não para. Não para não, não para! (Cazuza).

——————————————————————————————————————–

Prof. Manfrim, L. R.

Compulsivo em Administração (Bacharel). Obcecado em Gestão de Negócios (Especialização). Fanático em Gestão Estratégica (Mestrado). Consultor pertinente, Professor apaixonado, Inovador resiliente e Empreendedor maker.

Explorador de skills em Gestão de Projetos, Pessoas e Educacional, Marketing, Visão Sistêmica, Holística e Conectiva, Inteligência Competitiva, Design de Negócios, Criatividade, Inovação e Empreendedorismo.

Navegador atual nos mares do Banco do Brasil, UDF/Cruzeiro do Sul e Jornal de Brasília. Já cruzou os oceanos do IMESB-SP, Nossa Caixa Nosso Banco (NCNB) e Cia Paulista de Força e Luz (CPFL).

Freelance em atividades com a Microlins SP, Sebrae DF e GDF – Governo do Distrito Federal.

Contato para palestras, conferências, eventos, mentorias e avaliação de pitchs: professor.manfrim@gmail.com.

Linkedin – Prof. Manfrim

Currículo Lattes – Prof. Manfrim

_____________________________________________________________________________


Leia também
Publicidade