fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Professor M.

Jornada do Cliente B2B

Usualmente utilizamos a Jornada do Cliente B2C (Business to Consumer) e pouco criamos sobre a Jornada do Cliente B2B (Business to Business).

Prof. Manfrim

Publicado

em

PUBLICIDADE

A Jornada do Cliente B2C (Business to Consumer Empresa para Consumidor) é bastante difundida e utilizada nos meios acadêmico e empresarial, contudo a Jornada do Cliente B2B (Business to Business Empresa para Empresa) carece de a exercitarmos  e a popularizarmos.

Habitualmente, criamos uma ‘Persona’, que é a representação fictícia com dados reais de um ou mais clientes, para simbolizar e retratar as características e comportamentos dos ‘humanos’.

A Persona é bastante utilizada na construção de estratégias de negócios para segmentos ou nichos de clientes, considerando seus hábitos, motivações, objetivos, desafios, problemas e necessidades.

Na elaboração da Jornada do Cliente, a figura da Persona é bastante utilizada em sua composição.

Jornada do Cliente, aqui definida como o caminho que o cliente/consumidor percorre em um determinado período para atingir seu objetivo, composta por atividades, ações, operações, tarefas e comportamentos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As Personas e Jornadas estão normalmente ligadas a clientes ‘humanos’, consumidores ‘pessoa física’, e pouco utilizadas para organizações e empresas, clientes ‘pessoa jurídica’.

As autoras Margaret Mark & Carol Pearson em seu livro ‘O Herói e o Fora-da-lei’ exploram os 12 arquétipos de Carl S. Jung para empresas, que podemos considerar como Personas básicas para as organizações.

São caminhos para a construção da identidade e personalidade de uma marca e (ou) de uma organização para se comunicarem com seus clientes. Empresas constroem essa ‘personalidade’ para se relacionarem com seus clientes e com o mercado.

Persona Organizacional – Persona Empresarial

Persona Organizacional ou Persona Empresarial é a representação fictícia com dados reais de uma organização ou empresa, para simbolizar e retratar as características e comportamentos da ‘personalidade organizacional’ ou ‘personalidade empresarial’, para a área de comunicação por exemplo.

No momento em que conseguimos ‘personalizar’ uma organização torna-se possível a criação de uma Jornada para ela, considerando seus caminhos, comportamentos, comunicação, procedimentos, políticas, ações, cultura, atuação e papel social, econômico e empresarial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Da mesma forma que realizamos a Jornada com pessoas clientes/consumidores também podemos proceder com organizações e empresas. Claro, cada qual com suas diferenças pelas características próprias intrínsecas.

Lembremos que conceitualmente Persona é diferente de Público-alvo, que é um agrupamento específico de clientes/consumidores pelas suas características e com propósitos de estratégias de negócios específicas.

Por exemplo, Público alvo: mulheres, de 30 a 40 anos, casadas, com filhos, nível superior, renda média mensal entre R$ 3 e 5 mil, residentes em Brasília.

Por exemplo, Persona: Maria tem 35 anos, é contadora. Pretende realizar uma pós-graduação no curto prazo, gosta de frequentar cinema e teatro nos finais de semana, pratica caminhadas diariamente matinalmente. Realiza compras pela internet com frequência. Pretende viajar para o exterior no próximo ano.

Público alvo se concentra geralmente em características socioeconômicas para determinar uma parcela da população e (ou) de clientes/consumidores atuais ou potenciais com características similares ou díspares (heterogêneos ou homogêneos).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já Persona se concentra fundamentalmente em ‘humanizar’ um cliente, ou parcela deles, para compreender seu comportamento e hábitos em determinado momento, tema ou área.

As dores organizacionais e empresariais

As organizações e empresas também possuem Jornadas em suas atividades, ações, funcionamento, operações e negócios, não apenas os clientes/consumidores pessoas – humanos.

Tal qual os humanos, as organizações possuem desejos, necessidades e problemas que querem e precisam ser resolvidos, por outras organizações ou profissionais. São as chamadas ‘dores’ organizacionais/empresariais que todas apresentam em sua existência.

São as ‘dores’ em Jornadas como por exemplo em compras, vendas, logística, marketing, gestão de pessoas, finanças, contabilidade, custos, comunicação e inovação entre outras.

Existe a ‘Grande Jornada’ da organização/empresa, mas existem as Jornadas particionadas e fracionadas relacionadas às suas macro atividades, setores, departamentos, seções, funções, utilidades, aplicações, atribuições e estratégias.

Cada um desses macro processos convivem com seus próprios desejos, necessidades e problemas que desejam superar para evoluírem e inovarem, buscando a perenidade dos negócios sociais ou financeiros.

Jornada do Cliente B2B e B2C. L R Manfrim, 2019.

A Jornada do Cliente B2B

Semelhante aos humanos clientes/consumidores, a Jornada das Organizações e Empresas mostra como elas procuram atingir seus objetivos com determinadas atividades, ações, operações, tarefas e comportamentos.

Basicamente, temos seis etapas ou fases distintas:

1 – Despertar ou identificação dos desejos, necessidades e problemas organizacionais. Essa etapa ou fase é o princípio da Jornada, o desadormecer para um ponto específico (positivo ou negativo) em suas atividades, ações, operações e tarefas.

2 – Busca de solução ou atendimento das necessidades. É o movimento organizacional de procura pela mudança com agentes internos ou externos, para satisfação dos desejos, necessidades e solução de problemas.

3 – Pesquisa e decisão de compra. Etapa ou fase de identificação de outras organizações/empresas ou profissionais capazes de satisfazer os desejos e necessidades organizacionais e (ou) solucionar seus problemas, com a consequente decisão de compra.

4 – Compra e recebimento do(s) produto(s) e/ou serviço(s). Efetivação de compras, negócios ou transações com organizações/empresas ou profissionais capazes de satisfazer os desejos e necessidades organizacionais e (ou) solucionar seus problemas.

5 – Pós-compra. Percepção, aferição, qualificação, mensuração e avaliação do atendimento dos desejos e necessidades organizacionais e (ou) da solução dos problemas pelas organizações/empresas ou profissionais fornecedores.

6 – Recompra. Retorno de compra, aquisição ou transações com as organizações/empresas ou profissionais fornecedores que satisfizeram os desejos e necessidades organizacionais e (ou) solucionaram os problemas anteriormente.

Essas etapas são apenas um exemplo e uma referência visual e conceitual da Jornada do Cliente B2B (Business to Business), como também para B2C (Business to Consumer).

O entendimento e o conhecimento da Jornada do Cliente (B2C ou B2B) permite distinguir as necessidades dos clientes Pessoa Física ou Jurídica e identificar as oportunidades de negócios sociais ou financeiros, e conectá-las às soluções (produtos/serviços) a serem oferecidos pelos fornecedores.

Prof. Manfrim. L. R.

Compulsivo em Administração (Bacharel). Obcecado em Gestão de Negócios (Especialização). Fanático em Gestão Estratégica (Mestrado). Consultor pertinente, Professor apaixonado, Inovador resiliente e Empreendedor maker.

Explorador de skills em Gestão de Projetos, Pessoas e Educacional, Marketing, Visão Sistêmica, Holística e Conectiva, Inteligência Competitiva, Design de Negócios, Criatividade, Inovação e Empreendedorismo.

Navegador atual nos mares do Banco do Brasil, UDF/UnicSul e mentoria a Startups. Já cruzou os oceanos do IMESB-SP, Nossa Caixa Nosso Banco (NCNB) e Cia Paulista de Força e Luz (CPFL).

Contato para palestras, conferências, eventos, mentorias e avaliação de pitchs: professor.manfrim@gmail.com.

Linkedin – Prof. Manfrim

Currículo Lattes – Prof. Manfrim

______________________________________________________________________


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade