fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Professor M.

Inteligência Artificial dará as cartas no futuro

Um jogo de cartas japonês é o novo desafio de aprendizagem da Inteligência Artificial desenvolvida por uma empresa do conglomerado da Google.

Prof. Manfrim

Publicado

em

PUBLICIDADE

A Empresa DeepMind, pertencente à Alphabet, que faz parte do conglomerado de empresas da Google, está com a missão de desenvolver uma nova habilidade da Inteligência Artificial (I.A.) com um jogo de cartas: a capacidade de cooperação com outros jogadores, humanos ou não.

Em março de 2016, a Inteligência Artificial da DeepMind jogou 05 vezes com o campeão mundial de Go, Lee Sedol, um jogo de estratégia abstrata complexo. AlphaGo venceu quatro das cinco partidas.

Esses tipos de jogos normalmente promovem a competitividade entre os participantes, com a coleta, processamentos e análises de dados e informações para vencer um adversário, nunca colaborativamente.

Agora, se procura o desenvolvimento analítico das intenções, comportamentos e perspectivas de outros jogadores, na interação de ações cooperativas com outros participantes do jogo, que podem ser outras máquinas ou outros seres humanos.

A DeepMind realizará o experimento com o jogo “Hanabi“, que utiliza cartões de forma cooperativa entre os participantes, em que os jogadores trabalham colaborativamente para construir uma série de cartas em uma ordem específica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A montagem da sequência de cartas tem como o objetivo detonar um show de fogos de artifício. “Hanabi” é uma palavra japonesa para designar “fogos de artifício”.

Será utilizado na pesquisa e no experimento diferentes tipos e enfoques de inteligência artificial, com aprendizado e colaboração entre as próprias máquinas, e com seres humanos também.

Inteligência Artificial hoje

Já não é mais novidade nos dias de hoje a participação da inteligência artificial em várias atividades humanas. Quando imaginaríamos a algumas décadas atrás que computadores dirigiriam autonomamente veículos como carros, caminhões e tratores?

Nas organizações, por exemplo, a tecnologia auxilia na previsão de demanda de produtos, controlando a reposição nas lojas, acionando fornecedores e distribuidores, atuando na cadeia logística.

Outra aplicabilidade da inteligência artificial nos negócios, são as interações de atendimento aos clientes que as organizações realizam por meio dos aplicativos, sites e telefone.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na área financeira eclodiu vertiginosamente o número de empresas que utilizam a inteligência artificial em seus serviços, tais como análise e aprovação de crédito, monitoramento de comportamento financeiro; assistência para aplicações financeiras e mercado de ações.

A inteligência artificial chegou nos escritórios de advocacia, ajudando na busca de informações sobre os temas das ações, elaboração de peças processuais, atualizações nas leis, decisões de magistrados e jurisprudência. Já são capazes até de elaborar suas próprias petições e peças!

Inteligência artificial colaborativa

Imaginemos que iniciativas como as da DeepMind nos leve em um futuro próximo a trabalhos colaborativos cognitivos entre máquinas e com seres humanos. Certamente, será um aprendizado para os seres humanos também!

Poderemos ter trabalhos colaborativos na área de medicina, onde a inteligência artificial realiza rapidamente análise em conteúdo da literatura científica, dados genéticos e clínicos do paciente, análise de exames (imagens e laboratoriais).

A inteligência artificial mostra as alternativas de tratamento, apresenta os efeitos colaterais, o grau de risco de cada alternativa e os medicamentos envolvidos em cada alternativa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Seria apresentado ainda uma associação de sintomas, o resultados de casos semelhantes, decisões de outros profissionais, do próprio médico em outros casos e as probabilidade de sucesso do prognóstico. O médico interage e toma a decisão!

Haveria ainda um monitoramento da inteligência artificial do quadro clínico, do monitoramento da evolução do tratamento e da efetividade dos medicamentos, proporcionando informações analíticas para o médico.

Teríamos todo o histórico de prontuários do paciente sendo acompanhado e analisado pela inteligência artificial colaborativamente com o profissional de saúde. Não haveria substituição humana, mas um eficiência analítica elevada.

Inteligência artificial colaborativa na nuvem

Certamente haverá uma rede médica global para a identificação de epidemias, novas doenças e enfermidades, bem como, a descoberta de novos medicamentos e tratamentos e mais alternativas de diagnósticos e prognósticos. A democratização da inteligência médica!

A integração mundial entre profissionais de saúde, médicos, pesquisadores, cientistas, estudantes e pacientes será intensa e exponencial. Chegaremos a um patamar de integração nunca antes imaginado.

Efetivamente, tecnologia e humanos em favor de uma saúde global e democrática!

———————————————————————————————————————–

Prof. Manfrim, L. R.

Compulsivo em Administração (Bacharel). Obcecado em Gestão de Negócios (Especialização). Fanático em Gestão Estratégica (Mestrado). Consultor pertinente, Professor apaixonado, Inovador resiliente e Empreendedor maker.

Explorador de skills em Gestão de Projetos, Pessoas e Educacional, Marketing, Visão Sistêmica, Holística e Conectiva, Inteligência Competitiva, Design de Negócios, Criatividade, Inovação e Empreendedorismo.

Navegador atual nos mares do Banco do Brasil e UDF/Cruzeiro do Sul. Já cruzou os oceanos do IMESB-SP, Nossa Caixa Nosso Banco (NCNB) e Cia Paulista de Força e Luz (CPFL).

Freelance em atividades com a Microlins SP, Sebrae DF e GDF – Governo do Distrito Federal.

Contato para palestras, conferências, eventos, mentorias e avaliação de pitchs: professor.manfrim@gmail.com.

Linkedin – Prof. Manfrim

Currículo Lattes – Prof. Manfrim

______________________________________________________________________________


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade