Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Psicanálise da vida cotidiana

O Vínculo Analítico

A cena analítica vai se organizando. Penso que alguém que procura ajuda, e no caso, a ajuda analítica quer um “salvador”

Foto: Tyrone Siu/Reuters

A experiência analítica vai se fazendo aos poucos. Dois estranhos se encontram, combinam hora, dias, honorários. Estranhos, os dois angustiados tentam estabelecer uma relação, um vínculo. Do ponto de vista do analista, a espera, a paciência, a prudência, a tolerância em escutar, observar, fazer comentários, privar-se do sensorial e lentamente ir-se acostumando àquela pessoa ainda desconhecida. Do lado do analisando, a angústia, a pressa, os sintomas, a expectativa de cura, de respostas, de explicações lógicas racionais e a busca de alguém que lhe ouça, acolha-o e se comprometa a livrá-lo de “enlouquecer”.

A cena analítica vai se organizando. Penso que alguém que procura ajuda, e no caso, a ajuda analítica quer um “salvador”, quer restabelecer, ou afinal estabelecer uma experiência humana que suporte e ofereça a volta ao “nirvana”, o elo perdido da completude, o amor incondicional e a certeza de que agora vai acontecer o não acontecido – a constância de alguém em sua vida que dê condições de uma maior coesão do Eu. Técnicamente, através da transferência.

Eis aí a grande ousadia em ser analista – colocar-se num lugar que aceita as “loucuras” de alguém que fraturou sua alma e foi incapaz de dar a sua vida arranjos de vitalidade, onde o nível de sofrimento e de angústia fosse o mínimo tolerável. “Já não sei quem sou eu, já não acredito em mim, em minha capacidade de amar – se é que a tenho –, já percorri mundos e não me sinto feliz. Por favor, dê um rumo em minha vida…”

A premência, a pressa, a angústia direcionada ao analista criam o espaço de trabalho. O analista se supõe estar aberto a esse desafio. Como manejar tudo isso e transformar essa relação de súplica médica, curativa, em exercício de paciência para começar a observar e a mostrar, aos poucos, a realidade psíquica e o funcionamento mental interno, na relação transferencial? Mais do que isso: como, aos poucos, com respeito e contundência amorosa, denunciar que a responsabilidade do mundo mental é da própria pessoa e não dos que a rodeiam?

Freud tinha como condição básica numa análise três fatores imprescindíveis: a atenção flutuante, a associação livre e o estabelecimento e manejo da transferência-contratransferência. Wilfred Bion, revisando sempre a postura do analista, insistiu no exercício e na disciplina do analista para cuidar de sua memória, seus desejos e seus anseios de compreensão, exatamente para ampliar e criar condições de estabelecimento do espaço analítico. Como cuidar-se diante da pressão do analisando, do barulho sensorial emitido em momentos de angústia?

Penso às vezes que toda análise tem um começo psicoterápico, por mais que não queiramos, e a partir daí desenvolve-se um espaço lento e progressivo de reflexão analítica, de ambiência onírica. Sonhar, sonhar a sessão e permitir que o nosso parceiro aprenda a sonhar também. Que dupla desenvolve estas condições? Será que a prática analítica não é muito sofisticada para nossas mentes ocidentais onde o pragmatismo e o consumismo imperam? Talvez sim, talvez não.

Transferência neurótica, transferência fusional psicótica, identificações projetivas maciças, atuações de partes perversas, atuações erotizadas, pressões externas familiares, pressões institucionais – a bendita contratransferência, tudo enfim são realidades analíticas, facilitadoras e complicadoras no processo e na manutenção do vínculo. Trabalhamos em área de risco, risco de vida, de morte. A insalubridade psíquica de uma sala de análise é algo a ser sempre levado em consideração, pois a qualquer momento a dupla, ou um ou outro, pode explodir, ou implodir. Bion sempre alertou que o analista (e eu acrescento, a dupla analítica) vive na linha de frente de uma batalha, ora avançando, ora recuando, ora sendo atingido por balas e conseqüentemente ofuscado em sua função analítica, e ora criando espaços para crescimento e desenvolvimento mentais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E o vínculo? O vínculo é toda essa gama de acontecimentos, avanços, recuos, frustrações, dor mental, ataque homicida e suicida à mente de cada um. É mar turbulento em que o conquistador, atravessando-o entre rochas, necessita de paciência, tolerância e fé, mesmo que na travessia alguém antecipe o desastre e pule; e em outro momento, atravesse o mar com medo, mas com ousadia e coragem de uma mente conquistadora de maior crescimento.

Amor, ódio, inveja, ciúme, competição, ressentimentos, vingança, momentos profundamente esquizóides. Tristeza, depressão, esperança, paz, angústias. Silêncios mortíferos e silêncios gravídicos. Enfim, uma gama de experiências emocionais para os dois que desejam ANÁLISE e nada mais.

O vínculo analítico requer espaço mental para que aconteça tudo isto. Analista preparado? Nunca. Analista tentando, improvisando, oferecendo sua saúde mental e tirando proveito das suas insanidades circunstanciais para compreender seu parceiro, para se colocar no lugar do outro, (analisante),  para desenvolver sua função analítica. Se o analisando atua, pressiona, se é chato, amoroso, violento, agressivo, fugidio, defensivo, faz parte. Caso contrário, não teria sentido estar ali, buscando amor, compreensão, saúde mental, paz e a possibilidade de encontrar seu verdadeiro Eu soterrado nos enganos, disfarces, arranjos psicopatológicos que a vida lhe impôs.

Afinal, penso que pude trazer uma idéia da contundência da experiência emocional e o clima de uma relação analítica. Reflitamos nós, analistas, sobre esses aspectos. Saibamos em que lugar nos encontramos e cuidamos das nossas mentes, do respeito pela mente dos nossos analisantes. Assumamos a cada dia mais uma postura ética, pois o vínculo analítico proporciona crescimento, criatividade, expansão mental, rearranjos em direção a mais vida do que morte. Mas o vínculo também nos convida e nos coloca em climas de relações perversas polimorfas, em situações destrutivas vinculares, em cenários trágicos de um Édipo onipotente, onipresente e onisciente, narcisicamente falando, em que se busca  conluios de morte e relações abortivas da dupla amorosa e fecunda. Hanna Segal, em um simpósio sobre a Pulsão de Morte, nos alertou: cuidemos dos nossos desejos destrutivos e mortíferos antes da morte nos matar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O trabalho psicanalítico é a possibilidade de transformar nossas partes neuróticas, psicóticas, loucas, em arranjos criativos que apontam para a expansão do nosso aparelho mental. O compositor francês contemporâneo Claude Debussy nos traz uma bela contribuição: suas composições são obras que nunca se acabam, nunca se fecham, são acordes abertos em expansão. Com isso quero dizer que aquilo que se explica, aquilo que se encerra, que se fecha e se conclui, é abortivo e infecundo e não ressoa mais a música. Mata e destrói sua função de observar e transmitir os sentimentos da alma humana.

Carlos de Almeida Vieira
Médico, Psicanalista. Membro Titular da Sociedade de Psicanálise  de Brasilia,  Analista Didata; Membro Efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo; Membro da Federação Brasileira de Psicanálise e Associação Internacional de Psicanálise(Londres).






Você pode gostar