fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Psicanálise da vida cotidiana

O império do medo

Não faz sentido o medo de morrer, a angústia humana é o medo de ser mortal, quem não se sente finito é incapaz de viver

Carlos de Almeida Vieira

Publicado

em

PUBLICIDADE

O medo de nascer repousa no terror ao abandono.
O medo de existir denuncia a mortalidade.
O medo de amar navega nas águas do desamor.
O medo de sorri às vezes denuncia uma depressão.

Não faz sentido o medo de morrer,
A angústia humana é o medo de ser mortal
Quem não se sente finito
É incapaz de viver.

O medo da dor é crença de perder para sempre
[ o prazer ]
A vida começa com a morte.
A ideia de conjunto torna-se intolerável
A natureza humana é vital e mortífera.

[“Existe apenas o medo, nosso pai e companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo da mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte,
depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.”]

(In Congresso Internacional do Medo, poema de Drummond)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


É hora de medo do caos virótico.
É hora de morrer como também de sobreviver
Que sobra da Pandemia?
O medo dos homens criarem novos arranjos mortíferos

O medo do depois é a continuação da virulência da VORACIDADE
O medo do day-after é do ódio da perda do PODER, DA RIQUEZA E GANÂNCIA
O pavor do que vai sobrar é dos VAMPIROS FOMIGERADOS.

Oxalá nascerão “flores amarelas e medrosas”
Oxalá surgirão COMPAIXÃO, GENEROSIDADE E PARCERIAS
Oxalá das cinzas dos nossos irmãos mortos
Brotará o HUMANISMO!

Mas, mesmo assim teremos medo
Não mais medo dos Ditadores, dos Capitalistas Selvagens
Não mais dos Fundamentalistas Religiosos
Não mais dos Políticos Perversos

Teremos medo e alegria de viver.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade