Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Clarice Lispector, poeta!

Relembrei, ao ler o livro “Clarice Lispector – Uma vida na literatura”, o quão Manuel Bandeira se arrependeu ao criticar poemas de Clarice

Foto: Instituto Moreira Salles/arquivo

“Você tem peixinhos nos olhos: você é bissexta: faça versos, Clarice, e se lembre de mim… Clara… Clarinha… Clarice”

Manuel Bandeira, 2002.

Clarice Lispector, quando criança, foi musicista — dedilhava suavemente o piano. Já começava a fazer pequenas peças de teatro e escrever crônicas para os jornais, no início recusadas. Tempos depois, tornava-se uma escritora até seus últimos dias de vida terrena.

Por ocasião da prematura morte de sua mãe, Clarice compôs uma música com dois movimentos: um triste e outro violento. Tristeza combina com violência quando se perde um ente querido — amor e ódio, ingredientes da vida, desde o início que tem fim. Vem daí o ser absurda no sentido maior, que lhe dava Albert Camus em seus escritos sobre “O homem revoltado”.

Em “Clarice Lispector – Uma vida na literatura”, livro organizado por Matildes Demétrio dos Santos e Mônica Gomes da Silva, Ed. Oficina, surpreendo-me com dados de pesquisa acerca de Clarice poeta. Sendo mais fiel, referência à arte poética de Lispector, uma vez que já se sabe através da leitura da autora e de artigos críticos literários, que a ucraniana-alagoana-pernambucana-carioca, cidadã brasileira, tem em sua escrita uma bela prosa poética.

Flavia Vieira da Silva Amparo, no capitulo 12 do livro organizado por Matildes e Mônica, oferece a seguinte citação de Clarice: ”A palavra é o meu domínio sobre o mundo, eu tive desde a infância várias vocações que me chamavam ardentemente. Uma das vocações era escrever. E não sei, foi esta que eu segui. Talvez porque para as outras vocações eu precisaria de um longo aprendizado, enquanto que para escrever o aprendizado é a própria vida se vivendo em nós e ao redor de nós”.

Retomando minha intenção de lembrar a meus leitores que Clarice era também uma poetisa, ainda no capítulo de Flávia, encontramos um fato curioso e engraçado: nosso poeta singelo, doce e afetivo demais, Manuel Bandeira, criticou alguns poemas que Clarice lhe mandou, fato esse do qual tempos depois se arrependeu profundamente: “Você é poeta, Clarice querida. Até hoje tenho remorso do que disse a respeito dos versos que você me mandou. Você interpretou mal as minhas palavras”, escreveu Bandeira”.

Adiante, Flavia escreve: “O remorso de Bandeira parece sugerir que as consequências de sua crítica foram levadas muito a sério por Clarice, de modo que os prelúdios do poético, de uma obra inteira que poderia ter sido e não foi, tiveram os primeiros acordes silenciados antes mesmo de virem a público. A carta 45, entretanto, esforça-se por manter acesa a chama da poesia no horizonte de Clarice, sendo um apelo pela continuidade do lírico, ainda que de forma bissexta.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Deixo aqui, por hoje, dois poemas de Clarice:

Mas há Vida

Mas há a vida
que é para ser
intensamente vivida, há o amor.
Que tem que ser vivido
até a última gota.
Sem nenhum medo.
Não mata.

Estrela Perigosa

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estrela perigosa
Rosto ao vento
Marulho e silêncio
leve porcelana
templo submerso
trigo e vinho
tristeza de coisa vivida
árvores já floresceram
o sal trazido pelo vento
conhecimento por encantação
esqueleto de idEias
ora pro nobis
Decompor a luz
mistério de estrelas
paixão pela exatidão
caça aos vagalumes.
Vagalume é como orvalho
Diálogos que disfarçam conflitos
por explodir
Ela pode ser venenosa como às vezes o cogumelo é…






Você pode gostar