fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Psicanálise da vida cotidiana

Amor Materno

Felizes os filhos que podem carregar dentro do seu patrimônio psíquico, a representação saudável, estável da figura materna

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

O amor de mãe se inscreve para a eternidade, um amor, um sentimento que o filho sabe que, em algum momento, em algum instante de agonia ou de alegria, ela está sempre ali.

Felizes os filhos que podem carregar dentro do seu patrimônio psíquico, a representação saudável, estável da figura materna. Há quem diga que vivemos a vida procurando alguém, alguma pessoa, algum objeto que tenha essa constância que a mãe tem.

Existem também, filhos que não puderam albergar dentro de si uma mãe boa. Houve falha na introjeção, quer por uma mãe ausente, quer por um filho voraz e invejoso que por mais que tivesse a satisfação, ela não satisfaz.

Uma pessoa, outro dia, me falava de ter “uma boca oceânica”. Nada lhe satisfaz, pois, a experiência idealizada é para desejar e não para realizar.

Ouvindo uma bela música de Francis Hime, com letra de Geraldo Carneiro, identifiquei questões relativas à perda do objeto-mãe, grave experiência emocional que se transforma numa vivência traumática. A música tem o nome “Amor Perdido”.

“E agora amor, o que será da vida./ Como inventar a minha arquitetura./ Sem o teu céu acima do meu sol,/ sem o teu sol acima do meu céu?/ Não sobrevivo sem a tua moldura./ Não há cidade sem o teu abrigo./ Não há mais mundo sem a tua sombra,/ que me assombra, que me assombra?/ assombra./ Não há mais perfeição, tudo é imperfeito./ E toda eternidade que me resta,/ não tem graça, não tem mais porquê./ Na vida desprovida de você.”

A intuição e apreensão poética, estética do poeta, traz nesses versos o sofrimento de alguém que fez do Outro a sua vida, e após sua perda, a vida se transformou num vazio de significados afetivos.

Amor de mãe é só de mãe, ninguém o substitui. O modelo idealizador é importante para manter o sonho, uma paixão, as expectativas, mas é fundamental saber que a realização desse modelo permanece no desejo e como ingrediente para novas conquistas e projetos. Amor de mãe somente da própria mãe!

O “silêncio que assombra” é o silêncio da ausência, da falta, da castração, onde há que se viver com falta existencial para poder se fazer substituições simbólicas do “objeto original”, do modelo-mãe. Caso contrário, aparece o estado depressivo  apreendido pelo poeta quando escreve: “Não há mais perfeição… não tem graça, não tem mais porquê, na vida desprovida de você”


Leia também
Publicidade