Siga o Jornal de Brasília

Mandando a Letra

O ambiente do adjetivo

Publicado

em

Publicidade

Quando digo “ambiente”, quero reforçar que a compreensão da linguagem vai além da carga de significado das palavras, registrada nos dicionários, e das relações sintáticas que os elementos de um período apresenta. Esse ambiente faz com que esperemos um certo tipo de significado. Com isso, surgem vários fenômenos.

O adjetivo para elogiar: o fenômeno Carro Velho

Se você não conhece o áudio a que vou me referir aqui, será fácil encontrar no YouTube, somente digitando na procura: “Carro Velho, rei do elogio”. Trata-se de alguém que fala positivamente de uma pessoa, comunicando sua importância na cidade de Quixeramobim.

Carro Velho começa o texto parabenizando o programa de rádio de Carlinho Elói, dizendo que faz bem aos ouvintes e que a audiência é liderança no local. Com esse início, você já sabe que o texto faz parte de um ambiente de loas, elogios. A partir daí, esperam-se adjetivos positivos sobre o apresentador. Então, Carro Velho traz as seguintes qualidades, entre elas: “mediocrático”, “retumbante”, “cabriocárico”, “estrambólico”, “inoxidável”, “batráquio” e o mais sensacional deles: “estrogonoficamente sensível”.

Quem vai consultar o dicionário nesse caso?

Por curiosidade, você pode até correr para o dicionário para procurar o significado ou, até mesmo, para saber se existem todos esses adjetivos. Sinceramente, podemos nos surpreender, mas, no caso do Carro Velho, só para acrescentar conhecimento mesmo, porque todas essas palavras compõem uma coleção, do “rei do elogio”, de palavras difíceis e desconhecidas (ou inventadas, ou repaginadas) para impactar seu discurso.

Vamos pegar a palavra “batráquio” como exemplo. Logicamente, se buscarmos, encontraremos no dicionário somente algo relativo a espécie de animais, como sapo ou rã. Não achei outro significado. Mas já ouvi falar que, em algumas regiões do Nordeste do país, há o costume de chamar de “batráquias” pessoas inteligentes. Alguém confirma?

O ambiente do caos: a fratura para um médico

Você já obteve informações sobre uma fratura em um consultório médico? Mesmo se não, pode ser que já tenha assistido na tevê algum deles informando a população sobre uma lesão de alguém.

Conhece a famosa expressão “fratura importante”? Acompanhando “fratura”, esse “importante” (que não faz sentido algum se for interpretar a palavra – importa pra quem ou para quê?) só pode demonstrar que você está bem ferrado. Outros adjetivos que acompanham bastante a “fratura” são: grave e aguda. Em alguns campos, são até antônimos, mas, com a fratura, não podem ser coisa boa. Já ouvi falar que isso serve para não assustar muito o paciente. Mas também deixa de informar a real gravidade da situação, não é mesmo? De qualquer forma, notaram como o ambiente influencia no significado?


Você pode gostar
Publicidade