Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Histórias da Bola

Vaias viraram aplausos

Julinho Botelho viveu história inacreditável com a camisa canarinha

Por Gustavo Mariani 13/05/2021 1h41

Na data de hoje, há 62 temporadas – 13 de maio de 1959 -, acontecia, no Maracanã, um dos fatos mais famosos da história da Seleção Brasileira: em sete minutos, o ponta-direita Julinho Botelho, o Julinho, transformava vaias em aplausos.

Tudo começa quando o treinador Vicente Feola divulga que barraria Garrincha, ídolo da torcida do Botafogo, para escalar um jogador do Palmeiras, de 30 de idade, no amistoso contra a Inglaterra. A imprensa do Rio de Janeiro chiou, abriu guerra contra a ideia e a torcida carioca foi nessa.

Veio o jogo e, quando os auto-falantes do estádio anunciaram a escalação canarinha, o nome e Julinho, para a camisa 7, foi execrado por 130 mil pessoas, com zoada tão forte que invadiu os vestiários. Julinho sentiu bastante a sua rejeição e lágrimas molharam o seu rosto. O seu maior amigo no futebol, Djalma Santos, e o líder Nílton Santos, tentaram acalmá-lo, assegurando-lhe que os apupos não eram para ele, mas pela barração de Garrincha. Não levasse nada para o lado pessoal. Mas Julinho foi para o jogo nervoso e escorregou ao subir o último degrau do túnel ligando vestiário a gramado, sendo seguro pelo goleiro inglês.

O árbitro argentino Jun Brozzi apitou, rolou a bola e, aos sete minutos, Julinho fez brilhante jogada e abriu o placar. Quem o vaiava, passou a aplaudi-lo. E se repetiu, por muitos outros tantos lances de uma esplendorosa exibição do atleta palmeirense, coroada pela sua magistral arrancada que permitiu ao flamenguista Henrique Frade fechar o placar: Brasil 2 x 0, formando com: Castilho; Djalma Santos, Bellini, Orlando e Nílton Santos; Dino Sani e Didi; Julinho, Henrique, Pelé e Canhoteiro.

Sujeito pacato, sério e que nunca era (e nunca foi) expulso de campo, Julinho não chegou para abraços e cumprimentos, no vestiário. Lá pelas tantas, chega o Mané Garrincha, gritando: “Gostei de ver, Pica-Pau” – apelido que Julinho detestava. Quem o quisesse desagradá-lo, o chamasse assim. “Pica-Pau é a sua avó”, respondeu Julinho, no que o Torto saiu com esta: “Minha avó, Pica-Pau! Pelo menos, me mande pra…”.

Naquele instante, Nílton Santos puxou Garrincha pelo braço, recomendando-lhe: “Compadre, não encha o saco do cara, que hoje garantiu o nosso bicho”. Djalma Santos aproveitou para desanuviar o clima, brincando: “Torto véi! Se encher mais o saco do Julinho, vai ter comigo. Você vai ver as coisas mais pretas do que um negão como eu”. Garrincha rebateu: “Negão é o seu passado” – não teve quem segurasse o riso, nem mesmo o sisudo Julinho.

Esta história dos vestiários me foi contada por Djalma Santos, quando esteve por aqui sendo treinador do Clube de Regatas Guará, trazido por Wander Abdala, um dos primeiros jogadores de futebol da então nascente Brasília. Nílton Santos, que residiu, também, por aqui, comandando escolinha de futebol do Governo, não só lembrava das caçoadas ldo Mané Garrincha, como acrescentava: “Eu tinha que tomar conta da minha vida e, ainda, do compadre, que não deixava ninguém em paz”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar