Siga o Jornal de Brasília

Histórias da Bola

Meninas com Radar

Elas correram muito em busca da glória que lhes era proibida nos campos de futebol

Willian Matos

Publicado

em

PUBLICIDADE

Antes da Copa do Mundo de 1982, as meninas do Esporte Clube Radar, do Rio de Janeiro, viajaram à Espanha para a disputa de vários amistosos. Embora elas fossem meninas de “fino trato com a bola”, as leis brasileiras não lhes abria as portas à modalidade. Ainda havia lei ultrapassada, editada nos tempos do presidente Getúlio Vargas, barrando a brincadeira.

Para mostrar que elas não eram só boleiras, embora a maioria fosse dos pobres subúrbios carioca, sem muito acesso à educação, o pensamento embarcado com elas rumo a Europa era voltar com bons resultados, para pedir ao Conselho Nacional de Desportos a revogação da portaria discriminatória. Afinal, àquela altura do “campeonato”, porque mulher não poderia ter o futebol como profissão? – discutiam as moças.

Entre as principais jogadoras do time do Radar estavam Pelezinha, Vera, Heleninha, a principal goleadora, e a capitã Cláudia “Maradona”. 

Fundado em 1981 e tendo sede em Copacabana, por toda a década de 1980, o Radar foi principal time feminino brasileiro. Hexacampeão da Taça Brasil de o Torneio Brasileiro de Clubes, representou a Seleção Brasileira durante o Campeonato Mundial-1989.

O Esporte Clube Radar existia desde 1932, tendo sido criado para o futebol nas areias da praia de Copacabana. Mas só passados 49 temporadas apostou na bola das meninas. O grupo foi montado pelo advogado Eurico Lyra Filho, que fora administrador dos bairros de Copacabana e do Leme. A coisa virou moda entre as carioca elas pelos finalmente da década-1970, quando a imprensa entrou com a sua parte. Como parte da contribuição do Radar, a brasileira e alagoana Marta já foi eleita, por cinco vezes, a melhor futebolista do planeta.  


Leia também
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade