Siga o Jornal de Brasília

Histórias da Bola

Gol mil de Pelé

Aconteceu na data 19 de novembro, há meio século, diante do Vasco da Gama, no Maracanã

Willian Matos

Publicado

em

PUBLICIDADE

Era a noite de 19 de novembro de 1969, no Maracanã. Aos 33 minutos do segundo tempo, Pelé partiu para dentro da área vascaína, com a bola dominada. Os zagueiros Renê e Fernando lhe deram combate e, ao ver o atacante caído no gramado, o árbitro pernambucano Manoel Amaro de Lima marcou o pênalti.

Renê jura que não o fez. Até hoje garante não ter tocado um dedo em Sua Majestade, o Camisa 10.

Às 23h11, Pelé correu para a bola (de marca Drible) e a chutou, para o canto esquerdo das balizas defendidas pelo goleiro argentino Edgar Norberto Andrada. A partida valia pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, embrião do atual Campeonato Brasileiro, e o Santos, com o gol do Rei do Futebol, igualava o placar, aberto pelo Vasco da Gama, aos 17 minutos do primeiro tempo, por intermédio do meia Benetti.

Depois de esperar que os fotógrafos escolherem o melhor ângulo para eternizar aquele momento – os demais atletas santistas se colocaram no meio do campo –, Pelé atendeu os gritos de “Pelé, Pelé”, dos torcedores que pediam para ele cobrar o pênalti, e correu para a bola. De nada adiantou o lateral-direito vascaíno Fidélis fazer buracos na marca do pênalti. Com o pé direito, o Rei transformou aquela noite na mais importante do ano, para os brasileiros, até “maior” do que a da descida do homem na Lua, três meses antes.

Marcado o gol, Pelé apanhou a bola no fundo das redes e a beijou. Rapidamente, o roupeiro vascaíno Chico o vestiu com uma camisa, do seu clube, com o número mil às costas.

 O goleiro Agnaldo o colocou nos ombros – Pelé tinha a pelota sempre levantada para o alto –, e com ele deu uma volta olímpica pelo estádio, com a partida paralisada, fato inédito na história do futebol. “Naquele dia, eu enfrentei o mundo. Em campo, não dava para escutar nem a respiração dos torcedores. Até a torcida do Vasco torceu contra mim”, declarou Andrade, tempos depois.

 De sua parte, Pelé confessou, também, muito depois, que tremeu, daquele vez: “O jogo parado, o estádio inteiro calado. Eu, a bola e o Andrada. Naquela hora tive um terrível medo de falhar. Fiquei nervoso. Sabia que todos esperavam o gol. Pouca gente viu, mas fiz o sinal da cruz antes de cobrar o pênalti”.

 Depois de colocado no chão, diante de um “mar de microfones”, Pelé pediu: “Pensem no Natal. Pensem nas criancinhas”. Antes, dissera ao repórter Geraldo Blota, da Rádio Gazeta, o primeiro a ouvi-lo: “Dedico este gol às criancinhas do Brasil”.

FICHA TÉCNICA – 19.11.1969 – Vasco 1 x 2 Santos. Estádio: Maracanã. Juiz: Manoel Amaro de Lima-PE. Públic0o: 65.157 pagantes e cerca de 100 mil presentes. Renda: NCr$ 253 mil 275 novos cruzeiros e 25 centavos. Gols: Benetti, Renê (contra) e Pelé. VASCO: Andrada; Fidélis, Moacir, Fernando e Eberval; Renê, Bougleux e Acelino (Raimundinho) e Adílson; Benetti e Danilo Menezes (Silvinho). SANTOS: Agnaldo; Carlos Alberto Torres, Ramos Delgado, Djalma Dias (Joel Camargo) e Rildo; Clodoaldo, Lima, Manoel Maria e Edu; Pelé (Jair Bala) e Abel.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade