Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Entenda a operação de combate à pirataria nas transmissões da Premier League para o Brasil

Especialista explica quais os crimes cometidos pela organização e como combater a venda de plataformas e streamings ilegais no Brasil

Por Marcondes Brito 03/12/2023 7h18
Reprodução/Instagram

Uma nova fase da Operação 404, que mobiliza polícias civis de diferentes estados e autoridades de outros países, foi realizada nesta semana e tem como objetivo desmantelar transmissões piratas e a comercialização de plataformas ilegais de streaming ou TV por assinatura no país – incluindo transmissões clandestinas de jogos do Campeonato Inglês de Futebol (Premier League).

A Premier League é uma das ligas mais importantes do futebol europeu, disputada por 20 equipes de elite da Inglaterra. Está ligada à FA (Football Association), entidade máxima que gere o futebol inglês. É considerada o campeonato nacional mais valorizado do mundo – o valor de mercado total é avaliado em € 10,3 bilhões (cerca de R$ 54,6 bi).

Outro dado que reforça a importância da operação: atualmente, 35 jogadores brasileiros atuam na liga, sendo o Arsenal o time recordista de brasileiros, que conta com Gabriel Magalhães, Marquinhos, Gabriel Martinelli e Gabriel Jesus – o que explica a grande demanda por streamings e plataformas que transmitam o futebol inglês.

Derrubada de sites piratas

A operação resultou na derrubada de 606 sites piratas, sendo 238 hospedados no Brasil, 328 no Peru e 40 no Reino Unido. Além disso, 19 aplicativos de streaming ilegal foram retirados do ar. Foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão: 22 no Brasil, 1 na Argentina e 1 nos Estados Unidos.

De acordo com estimativas oficiais, no Brasil, aproximadamente 47 milhões de usuários recorrem a algum serviço ilegal de streaming ou assinatura clandestina de TV – o que gera um prejuízo de até R$ 12 bilhões ao ano. Os criminosos transmitem sinais ilegais pela internet, de graça – mas com banners de publicidade que rendem lucro ao dono do site e vendendo assinaturas clandestinas por um preço mais baixo que os serviços oficiais.

O principal crime relacionado à pirataria no Brasil é violação de direitos autorais, previsto no art. 184, do Código Penal. Segundo Caio Ferraris, advogado criminalista e sócio do FVF Advogados, aquele que viola os direitos de autor com intuito de lucro, direto ou indireto, como por exemplo a venda de assinaturas piratas do Campeonato inglês, incorre nas formas qualificadas do crime, com pena de até 4 anos de prisão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Quem consome esse tipo de conteúdo também está suscetível à eventual responsabilização penal pela violação dos direitos autorais, com pena de até 1 ano de prisão”, adverte o especialista.

Para Ferraris, a pirataria exerce um impacto negativo no direito à propriedade intelectual, resultando em prejuízos financeiros aos criadores e detentores desses direitos, desincentivo à inovação, perda de empregos, diminuição da arrecadação fiscal e desequilíbrios no comércio.

“A legislação busca combater a pirataria por meio de leis específicas, como a Lei de Direitos Autorais e a Lei de Propriedade Industrial. Além disso, a fiscalização aduaneira, ações civis e penais, além da colaboração internacional são estratégias implementadas para reforçar a proteção da propriedade intelectual”, explica.

Não é incomum que a pirataria esteja associada a outras modalidades delitivas, como organização criminosa, crimes patrimoniais e até lavagem de dinheiro, uma vez que a venda de produtos ilícitos gera produto (dinheiro) que pode ter sua origem ocultada ou dissimulada para adentrar no sistema financeiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Acompanhe as atualizações da coluna “Futebol Etc” nas redes sociais, no Twitter e também no Instagram.






Você pode gostar