Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Quem vai ser o campeão?

Botafogo vem tropeçando e dando chances demais ao Palmeiras, que diminuiu a diferença para o líder e tem tudo para levantar mais uma taça

Foto: Vitor Silva/Botafogo

Nos últimos meses, nesta coluna, cheguei a exaltar alguns treinadores e times, assim como houve críticas também. Para hoje, após os jogos de quarta-feira pelo Brasileirão, não há outra alternativa em criticar e elogiar uns e outros. No caso, Palmeiras e Botafogo.

No lado das críticas, o Botafogo merece todas elas pelo segundo turno ridículo que vem fazendo. Desde a saída de Luís Castro, que decidiu ir para o futebol árabe, a equipe se desencontrou. O time possui pontuação de equipes que estão na parte de baixo da tabela após os 11 jogos disputados. Não fosse o exímio desempenho nas primeiras 19 rodadas, o Fogão estaria muito abaixo na classificação. Para se ter uma ideia, o aproveitamento atual é de 36,36%, suficiente para a 15ª colocação no returno. Para efeito de comparação, o Coritiba, que tem o pior aproveitamento, tem 25% – uma diferença de três pontos apenas.

A derrota para o Palmeiras na rodada passada faz com que a diferença na classificação caísse para três pontos – já foi de dez. É bem verdade que o Alvinegro tem um jogo a menos, fora de casa contra o Fortaleza, que terá o seu foco total em ficar com uma das vagas na Libertadores da América do ano que vem, nem que seja por meio da fase eliminatória, entre o 5º e 6º lugares. Para piorar para o Botafogo, as próximas três rodadas são marcadas por jogos complicados, como o clássico contra o ameaçadíssimo de rebaixamento Vasco, em São Januário, Grêmio e RB Bragantino – equipes que ainda almejam o título.

O Botafogo, que, ao fim do primeiro turno já era tido como o campeão, precisará mudar a sua postura dentro de campo para sacramentar o título nacional, que não vem desde 1995. E não adianta reclamar de arbitragem ou culpar o “sistema”, que é prejudicial para todos. O time de Tiquinho Soares e cia., se não conquistar o título, protagonizará um dos maiores vexames de toda a história dos pontos corridos, por culpa do próprio elenco e comissão técnica. Colocar a culpa nos outros é fácil, mas admitir que vem jogando mal e que teve um desempenho abaixo nas 11 rodadas anteriores é difícil.

Quem não tem culpa disso é o Palmeiras. Justamente o clube que até há algumas semanas vivia uma crise institucional. As críticas à presidente Leila Pereira, acusando-a de ter conflitos de interesse por ser, também, a patrocinadora do clube por meio da Crefisa, parecem não ter afetado o elenco. Pelo contrário. Desde todas as manifestações contra a dirigente e empresária, dentro de campo o clube deu resultado. A perda nas semifinais para o Boca Juniors, na Libertadores, fez com que o peso do título brasileiro aumentasse a cada dia. E com a vitória heroica diante do Botafogo por 4 a 3, após estar perdendo por 3 a 0, a equipe mostrou que tem condições de conquistar mais um troféu nacional. E isso com um elenco enxuto, com poucos jogadores à disposição do técnico Abel Ferreira — um dos grandes motivos de críticas pelo lado da torcida.

O Palmeiras possui um esquema tático e um plano de jogo já consolidados, fruto da continuidade do comandante português, que completou três anos à frente do clube. Assim como a sequência do Botafogo, o Verdão terá rivais delicados nas próximas três rodadas. Enfrenta o Athletico-PR, que almeja uma vaga direta na Libertadores; o Flamengo, ainda que em crise, no Maracanã; e finalmente o Internacional. Diferentemente do Alvinegro, joga os duelos contra os times do Sul justamente diante de sua torcida. Logo, é possível que, até a pausa para a Data Fifa, o Palmeiras já tenha assumido a liderança da competição.

Muitos esperavam que a reta final do Brasileirão 2023 fosse chata. Agora, no entanto, a expectativa é de muitas emoções nas últimas sete rodadas. Caso o Palmeiras seja o campeão, mostrará a força de um planejamento. Se for o Botafogo, será muito em função do feito no primeiro turno. Pois hoje, não há como negar que o Verdão é o melhor time do país, graças à sua regularidade mesmo em meio a diversas turbulências internas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Que venha a emoção!






Você pode gostar