Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

O “barroco tecnológico” e nossos filhos

Se nossos alunos se acostumarem a fugir para seu mundo digital a cada sinal de desconforto, seguir em frente será realmente um desafio

Por Philip Ferreira 12/04/2023 9h11
Imagem ilustrativa

Do século 14 ao 17, a Europa experimentou uma vasta inovação no mundo da arte, música, filosofia, política, ciência e cultura conhecida como Renascimento. No início do século XVII, porém, as coisas começaram a mudar. Novos instrumentos exploraram os horizontes da paisagem musical, subindo e descendo a pauta musical como uma metralhadora. A arte e a arquitetura começaram a mostrar o que esses artesãos podiam fazer com novas ferramentas, novos estilos inventivos: desde ostentação de “Onde está Wally?” até trabalhos de relevo de parede dolorosamente ornamentados que mal deixavam espaço para um ocupante. Tudo se juntou para produzir o excesso excêntrico que hoje identificamos como o “Barroco”, um período da história em que os humanos estavam tão entusiasmados com o que podiam fazer que nunca se perguntaram se deveriam ou não. O mundo ficou embelezado.

Considere o seguinte: hoje, também vivemos em um período barroco de tecnologia, e nossos alunos e educadores não estão preparados para lidar com isso. Quer dizer, vamos dar uma volta rápida pelos últimos 40 anos. Em 1980, o Commodore VIC-20 se tornou o primeiro computador doméstico a vender mais de um milhão de unidades. Em 1991, o CERN apresentou pela primeira vez ao público a World Wide Web. 

No ano de 1997, esse computador doméstico e sua capacidade de acessar nossa ainda incipiente Internet foram consolidados em nossos bolsos. Hoje, estamos quase fisicamente integrados ao hardware que nos auxilia. Nossa tecnologia se tornou uma extensão de quem somos.

Claro, todos nós entendemos que o domínio dessa tecnologia é fundamental para garantir que nossos alunos estejam preparados para o futuro (e presente) mercado de trabalho. Já está embutido no cerne de como nossa sociedade funciona. Nossos telefones celulares nos permitem enviar emails, enviar mensagens, atualizar e nos encontrar com nossos empregadores e clientes a qualquer hora, em qualquer dia da semana. Nossos computadores nos permitem acessar e adicionar campos infinitos de dados e informações, compartilhados do passado e contribuídos para o futuro. 

Também podemos colaborar com outras pessoas em todo o mundo, quase aniquilando os fatores outrora limitantes de tempo e espaço. E as novas fronteiras da realidade virtual e da realidade aumentada vão mudar o jogo na próxima década. A verdade é que, se não ensinarmos nossos alunos como construir e aproveitar esse poder, estaremos prestando um desserviço a eles. Essas ferramentas são a força vital dos negócios diários do nosso mundo e precisam ser capazes de navegar nessas águas.

E, no entanto, quando os alunos estão prontos para o desenvolvimento lidar com uma ferramenta tão poderosa e pesada? Em um mundo às vezes muito assustador, esses dispositivos podem oferecer uma fuga. Além de ajudar em contribuições úteis para a sociedade, nossos telefones e computadores também fornecem alívio e conforto instantâneos em qualquer cenário difícil. Não é preciso ser um psicólogo educacional para ver o perigo inato aqui. 

Aprender é difícil, às vezes desconfortável, e pode até parecer um alto risco ao abordar novos horizontes desafiadores. Superar essa adversidade é como aprendemos. Como Frederick Douglass observou certa vez: “Se não há luta, não há progresso”. Se nossos alunos se acostumarem a fugir para seu mundo digital a cada sinal de desconforto, seguir em frente será realmente um desafio. Praticamente, não podemos, em sã consciência, impedi-los de aprender a manipular a tecnologia para atender às suas necessidades cada vez maiores. Ao mesmo tempo, ainda não avaliamos verdadeiramente o valor e o impacto de longo prazo de tudo isso, nem descobrimos como fazer isso com responsabilidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outro benefício inegável de nosso relacionamento complicado com nossas placas-mãe reside na capacidade de os seres humanos basicamente terem discos rígidos externos para nossos cérebros. Nossa tecnologia contém a vasta extensão de quase toda a riqueza do conhecimento humano, tudo acessível ao nosso alcance. Tão pouco permanece no mundo do desconhecido por muito tempo, pois notícias atualizadas, suportes de inteligência artificial, bancos de dados históricos e cálculos complexos podem ser acessados ​​muito mais rapidamente do que o cérebro humano geralmente pode processar. É eficiente. No mundo do trabalho, no mundo acadêmico e na vida cotidiana, essa habilidade economiza tempo e recursos. Por que segurar a informação, quando ela está convenientemente guardada no bolso, pronta para quando você precisar?

Porque “aprender” nem sempre é sobre o conteúdo específico. É sobre habilidades. Todos revirávamos os olhos quando precisávamos aprender as preposições em ordem alfabética, memorizar as datas dos principais eventos históricos ou quando competíamos sobre a rapidez com que podíamos percorrer as tabuadas. E ainda hoje, talvez não sejamos capazes de citar a data ou as circunstâncias por trás do fim da Guerra de 1812. Mas, por meio dessas práticas, aprendemos a aprender. Aprendemos como memorizar e armazenar informações, para que, quando precisássemos aprendê-las para acesso rápido em nossas carreiras escolhidas, pudéssemos! 

Memória mecânica, resolução de problemas, foco sustentado, aplicação do conhecimento adquirido a tarefas novas e mais complicadas, todas essas são habilidades transferíveis que nos mantêm competitivos no mercado global. Nossos cérebros podem não ser capazes de armazenar e processar da mesma forma que nossos dispositivos, mas aqueles que sabem como armazenar, processar e aplicar informações além de utilizar esses dispositivos sempre terão vantagem sobre aqueles que não sabem. Em nosso fascínio por novos circuitos brilhantes, estamos começando a abandonar alguns dos fundamentos de ser um ser humano de pensamento crítico.

E assim, o elemento final deste período berrante da história que os educadores devem observar de perto é como ele está impactando a própria humanidade. Os estudos não apenas mostram que nossas gerações mais jovens tem menos empatia, (que inclui maior acesso a esses dispositivos) também gera menos empatia. Agora, a evidência ainda não está disponível para conectar a sede de tecnologia do nosso mundo a essa apatia crescente, mas todos nós sentimos isso. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um instrumento-chave do barroco tecnológico é a sobrecarga de informações. A cada tragédia mundial, nosso cansaço emocional aumenta. Estamos mais conectados do que nunca e, no entanto, nos sentimos mais desconectados daqueles que nos rodeiam. E um disco rígido não pode armazenar isso para a próxima geração. Um sistema operacional nunca pode ajudá-los a processá-lo. Quanto mais nossos alunos viverem em mundos virtuais, mais dissociados eles se sentirão no mundo dos vivos, onde os nomes de usuários são almas complexas com sentimentos e a apreciação é demonstrada com mais do que um clique impensado. Mais uma vez, todos nós nos conectamos… sem perguntar se deveríamos ou não.

Encontre algum conforto em saber que, no final das contas, o tempo dirá, como sempre faz. O pêndulo de todas as coisas oscila para frente e para trás em extremos, com períodos de moderação inteligente entre eles. Atualmente, professores que abraçam a tecnologia como eu recebem elogios. 

Somos corajosos, inovadores e inovadores. A cada novo aplicativo, programa ou hardware que integro em minhas aulas, sou elogiado como excelente em minha área, orientado para o engajamento e adotando as melhores práticas. Esse elogio certamente é motivador, mas, para ser sincero, não tenho certeza de seu valor. Correndo o risco de soar como um mesquinho, acho que é hora de os educadores serem proativos e desconectados. Temos observado a confusão do barroco tecnológico por muito tempo. Continuámos a tocar, sem perder tempo a afinar os nossos instrumentos. Estamos assumindo novos compassos, sem considerar seu impacto no ouvido humano. Demos a todos um instrumento e pedimos que toquem o mais alto e longo que puderem. 

É hora de desacelerarmos e fazermos um balanço de tudo o que conquistamos. Somente com uma pausa seremos capazes de criar a sinfonia doce, calmante e inteligente do clássico. Devemos isso a nossos alunos para serem inteligentes o suficiente para construir uma paisagem tecnológica bem trabalhada, não apenas a enxurrada de produtos barulhentos e brilhantes. Na verdade, como educadores, é nossa responsabilidade absoluta. Porque o ser humano pode ser muito mais do que isso. Mostramos o que podemos fazer; agora é hora de considerar o que devemos fazer. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar