Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

A ascensão do ensino sem passar o mouse: criando uma sala de aula orientada pelo aluno

Por Philip Ferreira 06/07/2022 10h35

Eu costumava ter medo de deixar qualquer pequeno detalhe de instrução passar desacompanhado. Cada agenda diária estava sobrecarregada para que nem um minuto de tempo de instrução fosse desestruturado. Se os alunos saíssem pela tangente durante nossas discussões em grupo, eu os guiaria firmemente de volta ao tópico em questão. Quando eles pediram para fazer as coisas de forma diferente, desde criar um projeto em um meio alternativo até ter alguns minutos para processar as informações por conta própria, minha resposta quase sempre foi não. Foi só quando aprendi gradualmente sobre a magia do aprendizado centrado no aluno que toda a minha abordagem de ensino mudou, abrindo caminho para métodos muito mais flexíveis, responsivos e eficazes.

Apresento os quatro estágios do que chamo de instrução “sem foco”: mudanças de mentalidade, reformulação de relacionamentos, planejamento para engajamento e instrução baseada em escolhas. Esses estágios guiam os leitores pelo processo de deixar de lado o ensino “helicóptero” e alcançar um modelo instrucional que depende de professores e alunos para serem líderes de aprendizado. Embora os estágios possam ser abordados sequencialmente para quem deseja implementar uma sala de aula centrada no aluno, eles trabalham em harmonia para pintar a imagem maior de um ambiente livre de microgerenciamento.

Estágio #1: Mudanças de mentalidade

Quando os professores ingressam na profissão, as crenças centrais que temos sobre a educação não são um ponto fixo. À medida que os anos passam e as experiências e expectativas mudam, nossas mentalidades sofrem uma metamorfose. Quando se trata de alcançar uma sala de aula “livre de foco”, uma questão-chave é se acreditamos que todos os alunos podem aprender sem nossa interferência constante. Se sim, nossas ações apoiam nossas palavras? Se não, como podemos corrigir o curso para reparar uma dissonância entre o que dizemos e o que fazemos? Os leitores têm a oportunidade de fazer um “Mindset Quiz” e se envolver com várias outras ferramentas de autorreflexão para determinar o quanto eles controlam o que ocorre em suas salas de aula. Por exemplo, um “mito de mentalidade” que os professores costumam sustentar é que os alunos não podem determinar suas próprias necessidades de aprendizagem. Para desafiar essa ideia, quando perguntamos aos alunos em que eles ainda precisam melhorar, as respostas que os professores recebem geralmente são certas. Ao identificar suposições que temos mantido verdadeiras por anos sem pensar muito sobre suas implicações e considerar outro caminho, a jornada para criar uma sala de aula centrada no aluno começa a se cristalizar. 

Estágio #2: Reestruturando Relacionamentos

Eu costumava pensar que construir relacionamentos com os alunos era saber quem eles eram como pessoas, então eu coloquei muita energia para descobrir gostos e desgostos, ou falar sobre pontos de interesse comuns, como programas populares ou tendências. Embora priorizar o relacionamento seja incrivelmente importante, as conexões pessoais só levam os professores até o momento na criação de uma sala de aula “livre de foco” construída com base na confiança mútua. O resto da equação é sobre como os alunos se sentem seguros ao compartilhar suas ideias em um espaço acadêmico que valoriza sua identidade como aprendizes e acadêmicos. Quando os alunos falam, a reação que eles recebem de todos ao seu redor é fundamental. Se uma criança compartilha um pensamento e o professor segue em frente sem muita resposta, mesmo esse movimento aparentemente inofensivo pode ser desanimador porque envia a mensagem de que o comentário não mereceu tempo ou atenção. Nesse caso, o professor geralmente tem uma resposta específica ou ideal em mente, mas essa pode ser uma forma contraproducente de conduzir a aula. Por outro lado, se o professor fizer uma pausa e der à resposta (não importa quão correta ou incorreta) a consideração que toda contribuição merece, o aluno se sentirá validado. Todas as pessoas precisam saber que seus pensamentos têm valor, e a única maneira de garantir o desempenho dos alunos é nutrir suas identidades acadêmicas, deixando-os saber claramente que apreciamos sua participação em nossas aulas.

Etapa 3: Planejamento para o engajamento

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mesmo nas mãos dos professores mais habilidosos, é difícil (se não impossível) envolver todos os alunos de forma consistente, o tempo todo. Dito isto, uma maneira de aumentar o envolvimento no conteúdo do curso não é tão elusiva quanto se poderia supor. Quando os professores planejam as aulas, os alunos ficam compreensivelmente fora da equação. Afinal, eles não são especialistas instrucionais certificados. No entanto, com certos limites, os alunos podem ser atraídos para o processo de planejamento, desenvolvendo sua capacidade de entender o “porquê” por trás dos resultados das aulas e seu investimento na aula. Por exemplo, fazer apenas algumas perguntas antes de tomar decisões finais sobre um plano de unidade pode render dividendos notáveis. No formulário, o professor identifica uma meta de aprendizagem para as próximas semanas. Em seguida, os alunos respondem a perguntas sobre o quanto eles já sabem sobre o tópico, quais tipos de atividades eles acham mais ou menos úteis e como eles podem querer mostrar seu progresso. Uma vez que o professor tenha esse feedback, é muito mais fácil planejar de forma responsiva para atender às necessidades dos alunos, em vez de adivinhar o que eles podem achar útil.  

Estágio #4: Instrução Baseada em Escolhas 

Uma vez que nos tornamos adultos, tendemos a esquecer as poucas escolhas que tínhamos quando crianças. Pense nisso: as crianças são informadas quando (e muitas vezes o que) comer, como se comportar e como é sua programação para cada dia. Na escola, suas opções geralmente são igualmente limitadas, e não apenas nas aulas que frequentam, mas também na forma como podem trabalhar. Embora a escolha não possa ser fornecida aos alunos a cada minuto de cada dia, expandir seus horizontes, permitindo mais autonomia, faz uma enorme diferença. Suponha que uma aula de história esteja trabalhando em um projeto de pesquisa construído em torno do tema da resistência. Se o projeto tiver um produto não negociável, como um papel ou apresentação de slides, os alunos precisam concluir o trabalho conforme solicitado. Mas se o resultado da aprendizagem for baseado na demonstração de ideias, em vez de entregá-las de uma maneira específica, os alunos podem aproveitar a oportunidade de apresentar seu trabalho de várias maneiras, como por meio de uma mídia de arte visual ou gravando um podcast simulado. Quando e onde puderem, os professores que oferecem aos alunos a chance de aprender de maneiras mais significativas para eles são muito mais propensos a serem atendidos com uma sala de aula cheia de alunos que investem em seu próprio crescimento acadêmico. 

Abandonar o ensino do “helicóptero” não precisa ser complicado. Com experimentação consistente e implementação dos quatro estágios de instrução “sem foco” detalhados em: como parar de microgerenciar sua sala de aula secundária, fazer a mudança do aprendizado direcionado pelo professor para o aprendizado centrado no aluno é um esforço prático e gradual que aproxima a comunidade da sala de aula de uma cultura de responsabilidade compartilhada pela aprendizagem. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar