Siga o Jornal de Brasília

Do Alto da Torre

Jorge Vianna terá que decidir por qual função ocupará

O parlamentar terá de optar por uma das duas funções que ocupa: ou de presidente da Comissão de Saúde, Educação e Cultura, ou de 1º secretário

Publicado

em

Publicidade

Lucas Valença
lucas.valenca@grupojbr.com

“A regra é clara”

O parecer da Procuradoria Geral da Câmara Legislativa sobre o artigo 46 do regimento interno da Casa, que veda o acúmulo de funções, chegou ao gabinete do distrital Jorge Vianna (Podemos) ontem. A redação é a esperada e estabelece que o parlamentar opte por uma das duas funções que ocupa: ou de presidente da Comissão de Saúde, Educação e Cultura, ou de 1º secretário. Um dos procuradores resumiu o documento com um jargão futebolístico: “a regra é clara”.

Resistência sendo montada

Será criada amanhã a Frente Parlamentar em Defesa das Estatais no Legislativo local, composta por opositores e alguns membros do chamado Centrão. Com o atual descontentamento da base, o governo poderá ter dificuldades para aprovar o pacote de privatizações que deseja. Situação que só se agrava com a criação da frente.

Cautela necessária

Depois da decisão do Supremo, a venda da CEB Distribuidora não precisará passar pelo aval da Câmara Legislativa. Mas políticos mais experientes entendem que o GDF deve evitar maiores irritações. Com relação a esse assunto, a CLDF ainda pode dar dor de cabeça ao comando do Buriti.

Publicidade

Agilidade pública

A planilha de pagamento dos servidores da saúde, que ainda é feita utilizando o modelo de Excel, passará a ser digitalizada pelo GDF. As mudanças devem deixar a máquina pública mais ágil e menos custosa. As novidades que tentam destravar a burocracia do governo vêm sendo implementadas pela Secretaria de Economia, que comprou um novo sistema que deve ser instalado no governo como um todo.

Mais tempo

O presidente da Casa Legislativa, Rafael Prudente, já pediu mais tempo para resolver o problema provocado pela articulação que tirou a participação feminina da CPI do Feminicídio. O prazo pedido foi de uma semana. Enquanto isso, integrantes da Casa já especulam sobre o empenho especial do Buriti com relação ao futuro colegiado. A única certeza é que algo incomoda o comando palaciano.

Críticas ao viajante

A Comissão Externa criada para fiscalizar o Ministério da Educação tem sido uma dor de cabeça ao representante da pasta, Abraham Weintraub. Representante do DF no colegiado, o deputado federal Professor Israel (PV/foto) criticou a falta de prioridade da atual gestão e lamentou que o ministro prefira se empenhar em assuntos de menor importância. O congressista também lembrou que menos da metade do ensino fundamental público tem rede de esgoto.


Você pode gostar
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *