Siga o Jornal de Brasília

Do Alto da Torre

Administração de Águas Claras se posiciona sobre cobrança do Onalt

Administração de Águas Claras se posiciona sobre cobrança do Onalt

Publicado

em

Publicidade

Lucas Valença
lucas.valenca@grupojbr.com

Depois de a coluna ter publicado nesta quarta (28) as notas “Judiciário provocado” e “Influências em disputa”, que tratavam sobre um excesso de burocracia na cobrança da Outorga Onerosa de Alteração de Uso (Onalt) em Águas Claras, a administração enviou um posicionamento sobre o assunto. Em nota, procurou explicar as razões das cobranças que tem prejudicado empresários da região.

Diz a nota:

No que tange as alegações dos Impetrantes quanto a forma que essa Administração está exigindo a comprovação do pagamento da Outorga ou sua isenção, há de se fazer o detalhamento de como era a cobrança da ONALT antes da vigência da Lei Complementar n° 948 de 16 de janeiro de 2019 – LUOS, senão vejamos: As primeiras normas de Águas Claras, as Normas Originais eram muito restritivas para uso dos lotes e não existia a previsão de ONALT.

Porém, a maioria das edificações foram construídas na norma posterior, o Plano Diretor Local de Taguatinga PDL (Lei Complementar nº 90/1998), o qual exigia a cobrança de ONALT em 4 casos, quais sejam: Habitação Coletiva, Posto de Combustível, Supermercado e Centro Comercial (art. 123, incisos de I ao IV).

Contudo, após a entrada em vigor da Lei Complementar n° 948 de 16 de janeiro de 2019 – LUOS, alterou-se a maneira da exigência da incidência ou a comprovação do pagamento da ONALT (Outorga Onerosa de Alteração de Uso), tendo em vista que o objetivo da LUOS era a regularização de diversos usos e atividades econômicas que não eram permitidos em diversas localidades dos Distrito Federal.

Assim, o art. 55 da LUOS estabelece que “a utilização dos usos e das atividades permitidos nesta Lei Complementar para unidades imobiliárias não previstos na norma original depende de prévia aplicação da Outorga Onerosa de Alteração de Uso – Onalt, mediante contrapartida”.

A Terracap elaborou uma tabela simplificadora, por meio do processo SEI nº 00111-00005916/2019-62, que permite a verificação se há valorização pelo uso pretendido em relação ao que a norma original previa.
Considerado o rito para a autorização de Viabilidade de Localização e o licenciamento de atividades econômicas, que é estabelecido na Lei nº 5.547/2015, a cobrança do pagamento da outorga deve ser realizada na fase de Viabilidade de Localização pela Administração Regional, pois no sistema atual do RLE, a sua participação no processo de autorização de atividades restringe-se a esta etapa.

Fica evidenciado que em nenhum momento essa Administração visou prejudicar o desenvolvimento de atividades comerciais na Região Administrava, pelo contrário, no momento em que foi detectado a situação em comento buscou-se formas legais para que as Consultas de Viabilidades pudessem ser deferidas.

Desta forma, não há que se falar em atos arbitrários por parte do Administrador, pois este somente realizou o fiel cumprimento da legislação vigente.

 


Você pode gostar
Publicidade