Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Concursando Direito

NZT Concurseiro ou Metilfenidato

Somente as pessoas que tomam o NZT concurseiro é que seriam capazes de passar e esse é o segredo que ninguém quer que você saiba?

Por Werner Rech 20/04/2021 5h50
Pílula Milagrosa

Você já deve ter aquele ou aquela colega concurseira que sempre te dá boas dicas. Vamos chamar essa pessoa de Joaninha. Provavelmente em algum momento da sua vida de estudos a Joaninha deve ter falado maravilhas sobre rotinas, cursos, materiais e canais de YouTube como o Canal Defensolândia. Contudo, é bom você lembrar que a Joaninha pode saber sobre muitas coisas, mas não sabe tudo, do contrário já seria concursada.

A Joaninha já deve ter falando com você também sobre tomar um remedinho chamado Ritalina (Metilfenidato 10mg). No folclore concurseiro esse remedinho é igual à pílula NZT, do filme Sem Limites (Limitless – 2011 – Neil Burger). Supostamente, no momento em que você toma, toda as suas habilidades, que antes você julgava insuficiente para estudar, reter e expor seu conhecimento, são melhoradas e você se torna um super-humano. Nessa ficção criada pela Joaninha, somente as pessoas que tomam o NZT concurseiro é que seriam capazes de passar e esse é o segredo que ninguém quer que você saiba.

Eu estou aqui para te dizer que a Joaninha está falando o que ela acredita e não necessariamente a realidade. Sou um exemplo de concursado que passou sem tomar Metilfenidato. Embora, tenha sido tentado com essa conversa de existir um remédio que pudesse fazer eu abreviar meu tempo de estudo até a aprovação, tornando certo o destino que eu almejava.

Lembro bem de quando me ofereceram Ritalina como se fosse uma balinha ou MM`s. Meu primeiro impulso foi tomar logo, mas num segundo momento veio a consciência que dizia para eu pesquisar antes. Quando comecei a pesquisar vi que muito dos efeitos, relatados pelas pessoas que tomavam, parecia mais com efeito placebo, pois esse tipo de remédio somente traz os benefícios depois de alguns dias de uso.

Além disso, comecei a pesquisar sobre os efeitos colaterais do uso continuo. Cada vez que eu pesquisava me dava conta que não era uma boa tomar esse tipo de remédio sem uma receita legítima. Os efeitos colaterais me pareciam não compensar pelos resultados.

Outra coisa que passava pela minha cabeça era: “se eu me tornar concursando por conta de um remédio, estaria trapaceando”. Pode até ser um senso de justiça bobo, mas meu objetivo era uma carreira essencial à administração da justiça. Como poderia eu ter sido injusto com o meu corpo para defender o que seria justo?

Depois de me tornar concursado vi alguns colegas que nitidamente não tinha capacidade de raciocínio hábil para as atividades cotidianas do cargo. Sempre me perguntava se aquele seria um antigo concurseiro usuário do remédio milagroso. Obviamente que esse é um julgamento folclórico também, mas não deixava de pensar sobre isso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todo concurseiro tem que ter a consciência que as etapas de um concurso público são estruturadas para que ocorra a seleção dos mais aptos para as atividades almejadas. Pular etapas, medicar-se sem necessidade, comprar gabarito, ou qualquer outra atividade, ilícita ou lícita, invariavelmente será cobrada com juros no futuro. Por isso, pense bem nas suas escolhas durante sua trajetória de estudos.

Saiba que os sacrifícios que você está fazendo servem para te mostrar que “o mel não é o mel sem o vinagre.” Continue firme que os resultados virão e quanto mais saudável você estiver no momento da colheita mais tempo você vai aproveitar.






Você pode gostar