Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Novo álbum de Marcia Castro, AXÉ traz participações de Daniela Mercury, Ivete e Margareth

Com canções escritas por nomes como Carlinhos Brown, Russo Passapusso, Emicida e Nando Reis, trabalho tem participações especiais de Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Margareth Menezes e Hiran.

Por Bruninho Afonso 21/10/2021 12h20
Marcia Castro. Foto: Pedrita Junckes Marcia Castro. Foto: Pedrita Junckes

Nos anos 1990, o axé music apresentou um repertório de força, riqueza e relevância transformadoras para a música pop brasileira. Era a fase de ouro do gênero. As gravações, hoje clássicas, colocavam à frente de tudo uma potente parede percussiva e um naipe de metais matador dando sustentação à voz – que, na melhor parte das vezes, era uma voz de mulher.

As canções falavam de amor e festa, mas também promoviam autoestima racial e regional, tratavam de temas sociais, traziam reflexões espirituais e outras complexidades e belezas. Essa combinação perfeita de ritmo, melodia, letra e arranjo deu em algo tão potente que canções lançadas há três décadas seguem alimentando pipocas e pistas de clubes até hoje. O corte se deu a partir dos anos 2000, quando interesses da indústria cultural e movimentações naturais do mercado de música impuseram novas regras, levando artistas do axé music a caminhar com seu som em outras direções e referências. Os tambores, antes protagonistas, foram para o fundo da cena, virando apenas uma sombra no som das gravações. E mesmo o mote poético das canções pegou outro rumo.

Fazendo um salto temporal de 30 anos, é justamente na era dourada do gênero que está baseada toda a concepção de AXÉ, quinto álbum da cantora e compositora Marcia Castro. Em dez faixas inéditas, estão de volta o espírito, a poética e a musicalidade essenciais do axé music – tanto nas composições quanto nos arranjos. Participações especiais de Daniela Mercury, Ivete Sangalo e Margareth Menezes reafirmam a fundamental importância feminina para que o axé atingisse repercussão de escala nacional e internacional, furando bloqueios regionais e estilísticos. Hiran divide vocais com Marcia na faixa “Coladinha em Mim”. AXÉ tem produção musical de Letieres Leite e Lucas Santtana – dois grandes produtores baianos de gerações e escolas diferentes. A direção artística é de Marcus Preto, que assina também este texto de apresentação.

Quando Marcia Castro me telefonou dizendo que queria fazer um disco comigo, lembrei imediatamente da noite em que voltava para casa a pé, meses antes, com uma garrafa de vinho na cabeça e “O Canto da Cidade” no fone de ouvido. Ouvindo aquilo outra vez, tive vontade imediata de criar um repertório novo e inédito no ambiente original do axé music – que pudesse soar contemporâneo, mas não perdesse nada da potência musical e poética que o gênero alcançou nos anos 1990. “Marcinha, o que você acha de fazermos um disco de axé?”, foi a pergunta que eu fiz. “Pretito, não acredito! Esse é um caminho para onde eu já estava indo naturalmente, vai fazer todo o sentido!” Naquele mesmo telefonema, fiz o time dos sonhos: Letieres, Lucas, Daniela, Ivete, Margareth, Carlinhos Brown. E, como era sonho, eu jamais poderia imaginar que se tornaria real. Mas a credibilidade que Marcia Castro tem entre os colegas fez com que ela fosse ticando, nome por nome, toda a lista.

AXÉ foi pensado como um LP – e será lançado nesse formato em fevereiro de 2022, às vésperas do Carnaval.

O lado A abre com “Que Povo É Esse”, de Tenison del Rey, Marcela Bellas e Paulo Vascon, frevo acelerado e galopante que remete ao primordial grupo Chiclete com Banana. Escrita por Seco e pelo líder do BaianaSystem, Russo Passapusso, “Bolero Lero” desacelera e sensualiza a audição, bebendo nas influências latinas e caribenhas com que o axé sempre flertou, vide Carlinhos Brown durante e depois da Timbalada. Ivete Sangalo chega junto na faixa seguinte, “Holograma”, samba-reggae de Tiago Simões que ganhou um belo arranjo de sopros de Letieres Leite. “Ajuremar-se” tem letra e música de Emicida e foi encomendada ao rapper paulista com o pedido que ele fizesse uma canção espiritual, ritualística, uma espécie de “Andar com Fé”, de Gilberto Gil. Escrita por Teago Oliveira, da banda Maglore, “Ver a Maravilha” fecha o lado do LP com uma mensagem de esperança, algo que evoca os momentos mais leves dos Novos Baianos.

Daniela Mercury chega para o dueto que abre o lado B. Composição de Carlinhos Brown e André Lima, “As Paulinas dos Jardins” segue o diálogo entre São Paulo e Salvador que tanto Daniela quanto Marcia Castro fizeram e seguem fazendo – e do qual o axé music também se beneficiou. Mais um certeiro arranjo de cordas de Letieres Leite amarra isso tudo. Nessa e na seguinte, “Namorar no Mar”, samba-reggae romântico e sexy escrito por Pedro Pondé e Rafa Dias com colaborações da própria Marcia Castro. Nando Reis compôs “Macapá” especialmente para ser a balada do álbum, cumprindo a missão que, nos discos clássicos de axé, era sempre dada a nomes ligados ao pop-rock, sobretudo Herbert Vianna. “Coladinha em Mim” é outra canção de Marcia Castro, desta vez em parceria com Fabio Alcantara. O arranjo ressalta a mistura de reggaeton com samba-reggae, abrindo espaço para as rimas do rapper baiano Hiran. A deusa Margareth Menezes dá a palavra final de AXÉ, dividindo com Marcia os vocais de “Arco-Íris do Amor”. Parceria de Magary, Fabio Alcantara e Lucas Santtana, a faixa foi a primeira amostra do álbum, lançada como single no ano passado, antes de sabermos que aquele seria nosso último Carnaval.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

AXÉ foi concebido antes que pudéssemos saber que viveríamos uma pandemia. E estava pronto para ser lançado quando todos tivemos que nos recolher em casa, longe da festa e sem motivos para fazê-la. Por razões óbvias, seguramos seu lançamento, sabendo que era preciso esperar o momento em que suas canções animadas e cheias de calor voltassem a fazer sentido. Aguardar que o álbum retomasse sua função primeira: a de divertir as pessoas, muitas pessoas, todas juntas. Agora, isso começa a parecer possível. E é tanta saudade da vida lá fora que AXÉ acabou se tornando até mais útil do que era quando começamos a criá-lo. Os melhores carnavais ainda estão por vir.








Você pode gostar