Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Você sabia que no verão as piscinas podem oferecer diversos riscos à saúde das crianças

Crianças e adolescentes são as principais vítimas em piscinas com pouca ou nenhuma manutenção

Por Analice Nicolau 04/01/2023 4h00
Crianças e adolescentes são as principais vítimas em piscinas com pouca ou nenhuma manutenção

As doenças que podem ser transmitidas em piscinas com pouca ou nenhuma manutenção são muitas. A falta de cuidados com a água pode ocasionar desde uma micose, dermatite e conjuntivite, até diarreia e otite externa. Por isso, muitos condomínios precisam atualizar os cuidados necessários com esses equipamentos, preparando-os, principalmente, para as férias de verão.

Para o coordenador da Cipa Síndica, Bruno Gouveia, outro ponto de atenção é a segurança. Segundo a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), a cada uma hora e meia uma pessoa morre afogada no Brasil. No caso de piscinas localizadas em casas e condomínios, 60% das vítimas são crianças entre 1 e 9 anos.

“Isso nos indica que cuidar das piscinas em condomínios, fazendo manutenção correta e seguindo as regras de segurança, ajuda a proteger a saúde e a vida principalmente das crianças. A piscina é um bem que pode ajudar a melhorar a qualidade de vida condominial, mas deve sempre ser um ponto de atenção para administração e moradores”, destaca Gouveia.

O coordenador salienta ainda a necessidade de seguir as regras estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABTN). Devem ser impedidas, na área da piscina, a entrada de alimentos e óleo de bronzear. O usuário deve, antes de mergulhar, tomar banho de ducha.

“Condomínios com piscina devem estar atentos aos prazos de manutenção. Além da questão da saúde dos moradores, a administração garante o pleno funcionamento da área no período em que ela é mais demandada. Existem técnicas modernas que garantem inclusive a troca de pisos, ralos e azulejos sem a necessidade de esvaziar a piscina” explica Gouveia.

O representante da Cipa afirma que a manutenção pode ser feita em períodos que variam de a cada um ou seis meses, a depender da estrutura existente.

“Vazamentos em piscina podem se transformar em pesadelos para os administradores que adiam muito a manutenção. Isso pode fazer com que o tempo de reparo se estenda demais e cause transtornos a todos. Quando isso ocorre durante o verão, pode gerar conflitos bem acirrados”, alerta o coordenador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar