Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Analice Nicolau

Veronica Oliveira, primeira faxineira a criar conteúdo nas redes sociais, lança livro

Por Analice Nicolau 03/08/2021 4h00
A digital influencer abre diálogo sobre valorização da atividade doméstica e prestação de serviço em livro prefaciado pela jornalista Astrid Fontenelle

Minha vida Passada a Limpo “Eu não terminei como faxineira, eu comecei.” A frase marcante é da inspiradora digital Veronica Oliveira e subtítulo da obra Minha vida passada a limpo. Entre a própria história de vida e o relato de superação, a escritora abre um diálogo necessário sobre a valorização da atividade doméstica e da prestação de serviços nas 216 páginas do lançamento publicado pela VR Editora, selo Latitudeº.

Mãe de três filhos, negra e com origem na periferia de São Paulo, Veronica narra como decidiu que a porta para uma nova vida seria por meio da faxina: o start veio após um profundo quadro de depressão e tentativa de tirar a própria vida. Ao fazer divertidas postagens para divulgar seu trabalho na internet, ela criou o Faxina Boa. A página conquistou os internautas e tornou-se um lugar de resistência que permitiu a autora de ressignificar a profissão e o modo como via a si mesma.

Fiz o post no final do dia. Quando eu acordei… Sei lá o que aconteceu: eu queria que meus trezentos amigos do Facebook soubessem da minha empreitada e me chamassem para faxinar a casa deles enquanto eu estava afastada do trabalho, só isso. Mas tinha quase 10 mil likes e 6 mil compartilhamentos na postagem! De onde tinha saído toda aquela gente?
(Minha vida passada a limpo, p.125)

Prefaciada pela jornalista e apresentadora Astrid Fontenelle, e pela Dona Jacira, mãe dos músicos Emicida e Fióti, Minha vida passada a limpo é uma reflexão sobre diferentes aspectos de um trabalho ainda subestimado. Ao ser tratada como “tia da limpeza”, Veronica sentiu na pele como a empregada doméstica é geralmente estereotipada, uma herança do passado que continua a colocar barreiras na vida de mulheres que, sem opções e perspectivas, recorrem ao trabalho como única alternativa de sobrevivência.






Você pode gostar