Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Analice Nicolau

Queloide, o inimigo da autoestima pode estar com os dias contados

Dermatologista Flávia Maklouf apresenta técnica para tratamento da queloide premiada na Alemanha

Por Analice Nicolau 17/05/2021 5h00
Queloide, o inimigo da autoestima pode estar com os dias contados Flávia Maklouf

Há anos a medicina luta contra um inimigo da autoestima, chamado queloide. Basicamente, qualquer processo inflamatório pode gerar uma reação descontrolada do colágeno que, em contrapartida, formará uma cicatriz.

Queimaduras, incisões cirúrgicas, ferimentos, vacinas, tatuagens, furos de brincos, piercings, hidradenites (lesão sob a axila a partir das glândulas sudoríparas que inflamam), furúnculos e acnes são processos de trauma que diante de cicatrização exagerada originam queloide”, explica Flávia Maklouf, dermatologista com especialização em Homotoxicologia, Ortomolecular e Medicina Quântica.

O crescimento desse tecido fibroso (a queloide em si), transborda pelas margens da ferida, sendo que a maior parte dos pacientes se queixa de coceira, dor, restrição de movimentos, aspecto feio da lesão, e dependendo da região em que acontece pode até prejudicar a rotina do paciente.

A premiada Dra. Flávia Maklouf, dermatologista com especialização em Homotoxicologia, Ortomolecular e Medicina Quântica.

Como para tudo na vida há uma solução, a cicatriz exagerada pode ser revertida. “A regressão da lesão não é espontânea e a causa da queloide tem origem na pré-disposição genética. São inúmeras as regiões em que o trauma inesperado pode acontecer, no entanto,existe somente um tipo de queloide e os tratamentos envolvem uma junção de técnicas, como infiltração de corticoide ( conhecido como “padrão ouro”, por ter resultados mais rápidos), laser, infiltração de outros medicamentos, crioterapia e infiltração de Traummeel, homeopatia usada dentro da ferida e livre de efeitos colaterais”, detalha a médica que acaba de receber um prêmio da Alemanha pela aplicação da nova técnica homeopática.

O tratamento é lento e de acordo com o tamanho da lesão, requer paciência e disciplina. Qualquer pessoa pode se submeter aos procedimentos, sendo que a melhora depende do organismo de cada um. “No ínício as aplicações acontecem de 15 a 20 dias, e com o passar do tempo evoluem para uma vez por mês. Também são possíveis as incisões cirúrgicas para a remoção do queloide, tratando a ferida antes que ela cresça novamente,, e ainda existe o Enerjet, tratamento com ar comprimido, sem uso de agulhas, finaliza a especialista.






Você pode gostar