Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Conheça 4 executivas que fizeram uma transição de carreira de sucesso

A mudança de carreira pode ser desafiadora, porém se houver organização, estudo sobre a nova área, pesquisa e a construção de um planejamento qualificado, a pivotagem pode ser de forma horizontal, sem que você precise, necessariamente, dar alguns passinhos para trás, mas se precisar tudo bem também

Por Analice Nicolau 28/01/2022 8h00
A mudança de carreira pode ser desafiadora, porém se houver organização, estudo sobre a nova área, pesquisa e a construção de um planejamento qualificado, a pivotagem pode ser de forma horizontal, sem que você precise, necessariamente, dar alguns passinhos para trás, mas se precisar tudo bem também

Você já fez ou pensa em fazer uma transição de carreira? Nos últimos anos, o assunto tem ganhado muito destaque, já que todos nós temos sonhos, que, muitas vezes, não são contemplados, mas que com um “upgrade” no currículo, podemos alcançar aquela vaga, que está fora de nossa zona de conforto e mais conectada muitos de nossos propósitos.

Hoje em dia, não basta apenas ser um trabalho, ele precisa nos impulsionar. A mudança de carreira pode ser desafiadora, porém se houver organização, estudo sobre a nova área, pesquisa e a construção de um planejamento qualificado, a pivotagem pode ser de forma horizontal, sem que você precise, necessariamente, dar alguns passinhos para trás, mas se precisar tudo bem também. Confira abaixo 4 executivas que fizeram transição de carreira e fazem sucesso em suas áreas de atuação:

Lisiane Lemos, especialista em Tecnologia e cofundadora do Conselheira 101

Lisiane Lemos é advogada por formação e atuava na área de direitos humanos, mas após um intercâmbio para África, em Moçambique, sua carreira deu um giro de 360° graus ao querer focar em tecnologia, sendo a Microsoft a empresa pioneira de sua atuação em tech. Hoje, a executiva é Gerente de Programas de Recrutamento de Diversidade, Inclusão e Equidade, e concilia inovação e impacto social dentro e fora das empresas onde trabalha, pautada pelo seu próprio desenvolvimento pessoal e profissional. “Paciência e resiliência. A transição não é uma coisa que acontece do dia pra noite. Exige recursos, networking e planejamento. Provavelmente você vai fazer dezenas de entrevistas antes de dar certo e isso exige paciência e resiliência”, aconselha Lisiane.
 

Viviane Elias Moreira, C-Level da 99jobs e Co-fundadora da Edtech Plurie br

Com mais de 12 anos de experiência em Resiliência Corporativa, Controles Internos, Gestão de Riscos e Continuidade de Negócios, a executiva tem formação em Processos Gerenciais, MBA em Business Information Security e Cyber Security, é certificada pelo British Standards Institution (BSI) e responsável pela tese “Gerenciamento de Crises não aparentes que podem afetar o seu negócio”, premiada em 2018 na Risk University da KPMG. Viviane teve passagem por empresas nacionais e multinacionais nos segmentos varejistas, financeiro, seguros e saúde, além de ter atuado como Technical Expert em processos de certificação na América Latina. Atualmente, é Co-fundadora da Plurie br, a edtech que reúne alguns dos maiores especialistas em D&I do país, em modelo de negócio que visa educação contínua nas empresas e organizações, associada a WCD (Women Corporate Directors), integrante do Comitê de ética e integrante da secretaria de transporte Seinfra- MG e participou do grupo Conselheiras 101.
 

Natalie Melaré, presidente-fundadora do Instituto Devolver

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após uma carreira de sucesso como executiva na área de Marketing, sendo formada em Relações Internacionais pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), com MBA pelo LIM College NY, foi no ano de 2018 que Natalie resolveu apostar em grandes sonhos: mudar a educação no Brasil, transformar a realidade de jovens e adolescentes em situação de vulnerabilidade e auxiliar projetos sociais e ONGs. Foi assim que nasceu o Instituto Devolver, uma organização sem fins lucrativos, para apoiar crianças carentes no Brasil. Atualmente, são mais de R$ 1,5 milhão arrecadados, 15 mil crianças e adolescentes impactados, 61 instituições apoiadas e 15 empresas parceiras. “A transição de carreira nunca é algo fácil. Exatamente por isso, eu me preparei e, hoje, possuo Certificado de Extensão em Gestão de Atividades Sem Fins Lucrativos por Harvard e Programa de Educação Executiva de Oxford, em Investimentos de Impacto”, conclui.
 

Vera Bermudo, co-fundadora e sócia da Chá DōPhD pela Universidade da Flórida, Mestre pelo IBMEC, MBA pela UFF (Universidade Federal Fluminense), bacharel em Administração e Contabilidade e ex executiva financeira C-level com mais de 20 anos de experiência em grandes empresas, Vera Bermudo, deixou a vida corporativa para se dedicar a sua paixão por chás. Em 2020, em meio a pandemia, Vera teve reflexões decisivas sobre felicidade e realização no trabalho, e durante uma noite em família inspirada pelas trocas de ideias, decide investir na sociedade da Chá Dō, que se construiu como um curadoria especializada em chás. Atualmente é membro no Conselho Fiscal da GEBSA Prev (Plano de Previdência Privada da General Electric), Conselheira Consultiva da Unimed, e concilia a atuação como líder para as áreas de finanças e parcerias estratégicas da Chá Dô, com a vida de professora no MBA da FGV em Finanças Corporativas e Controladoria, na qual leciona há mais de 17 anos. É escritora e faz parte do Women Corporate Directors, entidade privada que busca fomentar a participação de mulheres em conselhos corporativos.








Você pode gostar