Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

O dia em que a empresa (re)parou

Sonhei que a empresa parou e se reparou: melhorou as melhorias, otimizou o ótimo e desenvolver o desenvolvimento.

Por Prof. Manfrim 14/11/2021 4h38
Comércio fechado foto : vitor mendonca / jjornal de brasilia data : 28-05-20

Quando escrevi em setembro de 2019 o artigo “O dia em que a empresa parou”, sonhando em parar o tempo na empresa para realizar mudanças e melhorias, otimizar o ótimo e organizar a organização, não imaginava que em 2020 seríamos envolvidos numa crise sanitária mundial que afetou nossa vida organizacional.

De fato, o sonho se tornou um pesadelo com a paralisação de diversos negócios e atividades profissionais de forma abrupta e não programada, por um período maior do que o esperado e com reflexos catastróficos na economia.

A história é conhecida e com capítulos ainda sendo escritos, já que não chegamos ao final do desafio de viver e conviver com essa nova doença de proporções globais e não excludente.

Observarmos que muitos negócios não sobreviveram e não suportaram a abrupta ruptura de suas atividades e a migração forçada para o mundo digital. Outros tantos estão sobrevivendo com cicatrizes profundas e feridas ainda abertas em suas finanças.

Afinal, os sobreviventes estão conseguindo de alguma forma realizar uma autoavaliação de seus negócios?

Ora, do que valerá as dificuldades enfrentadas se não aprendermos com as lições construídas?

Pois bem, estamos passando por experiências envoltas de dificuldades, provações, atribulações, contratempos e adversidades que necessitamos e precisamos transformar em lições aprendidas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inegavelmente, depois de tanto esforço, sacrifício e recursos despendidos para superar os desafios dessa pandemia, precisamos capturar esses novos conhecimentos em prol da evolução e crescimento da organização.

Parar para reparar

Primeiramente, o ato de ‘parar’ deve estar relacionado a uma ação ou ato organizacional propositivo positivo.

Segundo, não há sentido na ação de ‘parar’ se não houver objetivos ou propósitos para isso.

Terceiro e último, não estamos falando em “parar” para encerrar atividades, mas sim, uma parada estratégica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Acima de tudo, o ‘parar’ tem e deve estar relacionado ao ‘reparar’, mudar uma situação atual, alterar o status quo, evoluir o know how, quebrar paradigmas e refletir sobre crenças, valores e cultura organizacional.

Como sugestão, podemos nos inspirar nas definições de ‘reparar’ do Dicionário Priberam da Língua Portuguesa para a realização de ações evolutivas na organização:

1. Renovar;

2. Melhorar;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3. Retocar;

4. Consertar;

5.  Restaurar;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

6. Restabelecer;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

7. Compensar;

8. Reforçar;

9. Examinar;

10. Corrigir;

11. Verificar;

12. Precaver;

13. Recompor;

14. Observar;

15. Restabelecer.

Entre tantos outros verbos de ação que se conectam ao ato e ação de ‘reparar’, considere sempre os que denotam o sentido de evoluir, desenvolver, prosperar e avançar.

Dessa forma, fica a reflexão do que fazer, por onde começar, o que abordar, em que parte, qual o ponto de abordagem, entre outros a pensar.

Portanto, esses são os pontos importantes e objeto das ações do ‘reparar’ e seus sinônimos por onde a organização pode realizar suas ações:

– Tarefas, atividades, funções e trabalhos;

– Metas, prazos, prioridades, métricas e resultados;

– Responsabilidades socioambiental e econômico-financeira;

– Governança, controles, monitoramentos e compliance;

– Tecnologia da informação, comunicação e social – TICS;

– Operações internas e externas da organização;

– Modelo organizacional e dinâmica de funcionamento;

– Modelo de negócios e comportamento de mercado;

– Propósito, missão, visão e objetivos organizacionais;

– Gestão de pessoas e de recursos empresariais;

– Mercado, clientes, consumidores e stakeholders.

Assim, são itens que não esgotam as perspectivas de análise das variáveis e conexões da organização nos ambientes interno e externo.

Inovar para reparar

Vale aqui uma menção especial para o tema inovação na perspectiva de mudar a situação atual, alterar o status quo, evoluir o know how e quebrar paradigmas.

Sob o mesmo ponto de vista, a inovação permite diversos olhares, múltiplas abordagens, diferentes perspectivas e distintas alternativas de soluções e aproveitamento de oportunidades.

Inquestionavelmente, a inovação é um elemento organizacional tão poderoso quanto as pessoas que a compõem, que se traduzem no combustível do ‘reparar’.

Como afirmei no artigo ‘Inovação em Pessoas e evolução do Mindset’, “Inovações são realizadas por pessoas para pessoas, para resolver problemas de pessoas e de organizações compostas por pessoas.”

Dessa forma, não existe ‘reparar’ nas organizações sem o elemento pessoas. Parafraseando: Reparos são realizadas por pessoas para pessoas, para reparar problemas de pessoas e de organizações compostas por pessoas.

80 ▲ —————————————————————————————————

Prof. Manfrim, L. R.

Fanático em Gestão Estratégica (Mestrado). Obcecado em Gestão de Negócios (Especialização). Compulsivo em Administração (Bacharel). Consultor pertinente, Professor apaixonado, Inovador resiliente e Intraempreendedor maker.

Explorador de skills em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Visão Sistêmica, Holística e Conectiva, Marketing, Inteligência Competitiva, Design de Negócios, Criatividade, Inovação, Empreendedorismo e Futurismo.

Coautor do Livro “Educação Empreendedora no Distrito Federal”. Colaborador no Livro “O futuro é das CHICS: como construir agora as Cidades Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis”.

Navegador atual nos mares do Banco do Brasil, Jornal de Brasília, Arena Consulting Brasil e Instituto Brasileiro de Cidades Inteligentes, Humanas e Sustentáveis. Já cruzei os oceanos da Universidade Cruzeiro do Sul, Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), Nova Didáttica Educação e Desenvolvimento, Instituto Municipal de Ensino Superior de Bebedouro-SP (IMESB), Cia Paulista de Força e Luz (CPFL), Nossa Caixa Nosso Banco, Microlins SP, Sebrae DF e Governo do Distrito Federal.

Contato para palestras, conferências, mentorias, hackathons e pitchs: [email protected]

Linkedin – Prof. Manfrim

Ao utilizar os conteúdos desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, por elegância, cortesia e educação, cite a fonte e o autor.

___________________________________________________________________________________________________








Você pode gostar