Siga o Jornal de Brasília

Torcida

Volante do Milan, Thaisa reencontra colegas em decisão: ‘Vai ser difícil’

Seleção terá desfalque de Formiga, suspensa por levar dois cartões amarelos

Publicado

em

Da redação
redacao@grupojbr.com

Primeira brasileira a atuar no Milan, que montou seu time de futebol feminino em 2018, a volante Thaisa vai rever seis de suas companheiras de clube na partida decisiva da seleção brasileira no Mundial Feminino contra a Itália, nesta terça-feira, às 16 horas (de Brasília), em Valenciennes.

Se no Campeonato Italiano, Thaisa e suas companheiras levaram a equipe de Milão ao terceiro lugar, desta vez, elas serão rivais no jogo de extrema importância para o Brasil, que busca a classificação às oitavas de final – as italianas lideram o Grupo C e já estão garantidas na fase seguinte.

“Vai ser uma experiência diferente, será a primeira vez que jogarei contra elas. Mas dentro de campo é rivalidade, e eu espero sair vencedora”, afirmou a meio-campista ao site da CBF.

Quase há um ano no Milan, Thaisa atribui sua evolução tática à experiência no futebol italiano. Aos 30 anos, a meio-campista disputa o Mundial Feminino pela segunda vez e também esteve no grupo que foi quarto colocado nos Jogos Olímpicos em 2016, no Rio. 

“Eu acho que o futebol italiano agregou no meu jogo a parte tática, eles têm algo a mais e são conhecidos pela tática. Acho que vai ser difícil, elas estão bem taticamente, mas nós temos muito potencial. A gente tem estudado muito elas e vamos determinadas para uma vitória”, declarou.

Thaisa é a parceira da veterana Formiga, uma das referências da seleção e que não poderá entrar em campo na última rodada da primeira fase pois está suspensa em razão do acúmulo de cartões. Luana e Andressinha disputam a titularidade. “A Formiga é uma perda grande, mas a gente está numa Seleção e acredito que quem está no banco também é bem competente para entrar e não deixar esse nível cair”, afirmou.

A Seleção recebeu uma boa notícia neste domingo. Os resultados dos Grupos E e F ajudaram, de modo que os terceiros lugares dessas chaves não têm mais chance de somar quatro pontos e o Brasil, que está com três e ocupa o segundo lugar do Grupo C, avança ao mata-mata com um empate diante das italianas. Além disso, em caso de derrota, também é possível que as brasileiras se classifiquem como uma das melhores terceiras colocadas.


Você pode gostar
Publicidade