Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Torcida

Um novo futebol na terra de Pelé

Com 203 milhões de habitantes, o Brasil é hoje o segundo maior mercado internacional da NFL, depois do México, com 38 milhões de torcedores

Foto: Mauro Pimentel/ AFP

O programador Carlos Marins grita e gesticula. Ele não está sofrendo pelo Flamengo e nem pelo Corinthians: todas as suas atenções estão voltadas para a chegada do San Francisco 49ers ao Super Bowl.

Não se trata de um expatriado que perdeu suas raízes e que agora assiste aos playoffs da NFL nos Estados Unidos. Ele é um torcedor, vestindo camisa e cachecol dos ‘Niners’, em um bar no Brasil, terra de Neymar, Ronaldo e Pelé, onde outro futebol – o americano – está em alta.

“Há três Super Bowls, eu assisti com meu irmão. Há dois Super Bowls, eu assisti com meu irmão, minha noiva e alguns amigos. E hoje eu venho aqui e assisto com todas essas pessoas”, diz Carlos, de 28 anos, enquanto olha ao redor do estabelecimento lotado no Rio de Janeiro, onde quatro telões exibem o jogo dos playoffs do São Francisco contra o Green Bay Packers.

O futebol americano, diz ele, está “crescendo diante de nossos olhos” no Brasil, onde se espera que milhões de pessoas assistam ao Super Bowl no domingo contra o Kansas City Chiefs (time do namorado da cantora Taylor Swift, para os não iniciados).

“Eu posso ser a parte meio louca que faz isso crescer, porque eu grito, eu faço barulho… Eu gosto de seduzir todo mundo que eu conheço a gostar de futebol americano”, acrescenta Marins que escolheu os ‘Niners’ como seu time porque gostava de seu ex-quarterback, o ativista de direitos civis Colin Kaepernick.

– Mercado chave –

Com 203 milhões de habitantes, o Brasil é hoje o segundo maior mercado internacional da NFL, depois do México, com 38 milhões de torcedores, mais de 20% deles “seguidores ávidos”, segundo um estudo encomendado pela liga.

Este número é bem superior aos três milhões de torcedores de 2015.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Diante do ‘boom’, a liga retribui o carinho: na próxima temporada realizará seu primeiro jogo no Brasil. São Paulo se tornará a primeira cidade sul-americana a sediar um jogo e se juntará a Londres e Munique no calendário internacional da NFL.

O Philadelphia Eagles fará sua primeira partida da temporada, contra um time a ser definido, no dia 6 de setembro, na Neo Química Arena, casa do Corinthians.

O irmão gêmeo de Marins, Caio, outro grande fã, diz que já reservou férias para viajar a São Paulo: “Não perderia por nada no mundo”.

– ‘Sr. Gisele Bündchen’ –

Mas a pergunta que se faz é como o futebol americano, considerado impossível de entender em grande parte do mundo, ganhou adeptos no país do ‘esporte rei’.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pedro Rego Monteiro, CEO da agência de marketing da NFL no Brasil, a Effect Sport, oferece vários motivos para explicar o crescimento exponencial.

Entre os argumentos: os brasileiros adoram a cultura americana e os comerciais do Super Bowl; os playoffs coincidem com os meses em que o Brasileirão não é disputado; e o trabalho de marketing da NFL.

Depois, há o impacto do homem há muito conhecido no Brasil como “Sr. Gisele Bündchen”: o lendário quarterback Tom Brady, dono do recorde de sete anéis do Super Bowl e ex-marido da modelo brasileira.

Devido em grande parte a Gisele, o entusiasmo por Brady e seu time principal, o New England Patriots, “cresceu absurdamente” no Brasil, diz Monteiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– Êxodo de jogadores de futebol –

Cristiane Kajiwara, presidente da Confederação Brasileira de Futebol Americano (CBFA), tem outra explicação para o que chama de “febre da NFL”: o êxodo das principais estrelas do futebol brasileiro para ligas mais lucrativas no exterior.

“Isso abriu caminho para outros esportes”, explica à AFP. Além disso, cada vez mais brasileiros estão aprendendo a jogar futebol americano.

Enquanto treina sob a chuva com capacete e protetores com seu time amador, o Rio Football Academy, o ‘linebacker’ Gabriel Stutz diz que adoraria um dia ter a oportunidade de jogar profissionalmente no Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“É o sonho de todo moleque que começou a jogar futebol americano com 14 anos”, diz este tenente do exército e estudante de psicologia, hoje com 24 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No Brasil existem cerca de 300 times de futebol americano, entre tradicional e flag football. A CBFA, fundada em 2000, organiza campeonatos regionais e nacionais.

A inclusão do flag football nas Olimpíadas de Los Angeles-2028 impulsionou ainda mais o esporte, diz Cristiane Kajiwara.

A seleção brasileira feminina nessa modalidade ocupa atualmente o quarto lugar no ranking mundial. Mas há um realismo quanto à magnitude desse boom.

“Será que a gente um dia vai ter mais brasileiros fãs de NFL do que de futebol? Muito provavelmente não”, afirma Pedro Rego Monteiro.

© Agence France-Presse






Você pode gostar