Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Torcida

Tour de France: vitória para um filho da Flandres em Copenhague

Lampaert, que esperava apenas terminar entre os dez primeiros, surpreendeu e também contou com a sorte

Por Fabrício Lino 01/07/2022 6h23

Por Matt Rendell

Copenhague, 1 de julho de 2022: O Tour de France 2022 começou hoje às 16 horas locais, não na França mas, em uma de suas partidas periódicas no exterior, na capital dinamarquesa, Copenhague. A covid-19 forçou mudanças nas equipes. Na quarta-feira, Matteo Trentin, companheiro de equipe do atual campeão Tadej Pogacar do equipe UAE-Team Emirates, e o ex-campeão mundial sub-23 Samuele Battistella, da equipe Astana Qazaqstan, testaram positivo. Na quinta-feira, o capitão de estrada sul-africano da Israel-Premier Tech, Daryl Impey, e o velocista francês Bryan Coquard, com a equipe Cofidis, retornaram positivados e também tiveram que ser substituídos.

Enquanto isso, uma investigação policial sobre a equipe vitoriosa do Bahrein, que viu buscas coordenadas na Itália, Espanha, Bélgica, Polônia, Eslovênia, Croácia e Dinamarca, lançou uma sombra sobre os procedimentos, embora nenhuma prova incriminatória tenha sido tornada pública.

A primeira etapa foi um julgamento de 13,2 km ao longo de uma rota que serpenteava pelo centro da cidade, onde o corredor belga Yves Lampaert completou o percurso em 15’17” a uma velocidade média de 51,821 kph, tornando-se o primeiro usuário da cobiçada camisa amarela do líder da corrida.

Lampaert foi um vencedor surpresa. Segundo no campeonato belga de contra-relógio há uma semana, ele começou a etapa esperando terminar entre os dez primeiros. Entretanto, a mudança das condições climáticas interveio para complementar sua força com boa sorte.

Ontem à noite, quando a ordem de início foi fixada, uma leve chuva e uma brisa foram previstas para o final da tarde. Esperando pedalar em estradas secas, todos os grandes favoritos optaram por começar mais cedo. Foi exatamente a escolha errada, como os eventos provariam. Após dias de céu azul elétrico, nuvens cinzas se juntaram no início da tarde e, uma hora antes do primeiro ciclista sair da rampa de largada, começou a cair uma forte chuva.

Stefan Bissegger, da equipe EF Education-Easypost, o único cavaleiro a ter vencido o campeão mundial de contra-relógio Filippo Ganna este ano, foi o oitavo dos 176 cavaleiros a largar, e o primeiro a cair. Serviu como um aviso para aqueles que viriam.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dois holandeses marcaram o ritmo inicial: o campeão nacional holandês, Bauke Mollema, e seu compatriota, o multitalentoso campeão de ciclismo e mountain bike Mathieu Van Der Poel. O tempo de 15’30” de Van Der Poel durou cinqüenta minutos até que, em rápida sucessão, o campeão mundial de time trial, Filippo Ganna, o grande rival de ciclocross de Van Der Poel, Wout van Aert, e o esloveno Tadej Pogacar, o vencedor dos dois últimos Tours de France e o favorito para manter seu título este ano, começou, com um minuto de diferença.

Van Aert terminou o melhor de todos, dois segundos mais rápido que Ganna e cinco segundos mais rápido que Pogacar. Em condições normais, a etapa teria sido decidida.

Vinte minutos depois, quando a chuva começou a cair, o colega de equipe francês de Van Aert, Christophe Laporte, acionou a primeira divisão no tempo mais rápido, e parecia estar prestes a assumir a liderança. Mas sua prova, também, terminou em um acidente.

Lampaert começou 18 minutos depois de Laporte, e permaneceu em pé. Van Aert ficou em segundo, concedendo cinco segundos ao vencedor, e Pogacar ficou em terceiro, dois segundos mais atrás. O melhor cavaleiro dinamarquês foi Jonas Vingegaard, que terminou em segundo lugar com a Pogacar no Tour de France do ano passado. Ele terminou em sexto lugar hoje, 15 segundos mais lento que Lampaert e oito segundos atrás de Pogacar. O companheiro de equipe de Vingegaard, Primoz Roglic, outro dos grandes favoritos para vencer este Tour de France, estava um segundo atrás.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A etapa de amanhã seguirá a costa norte da Dinamarca, depois cruza o Great Belt Link, uma seqüência de 18 km de pontes ligando as duas maiores ilhas da Dinamarca, Seeland, onde se encontra a capital Copenhague, e Funen.








Você pode gostar