Siga o Jornal de Brasília

Torcida

Por decisão unânime, Viviane vence luta no Canadá

Vivi Araújo derrota Alexis Davis em casa e fatura sua segunda vitória no Ultimate Fight Championship (UFC)

Publicado

em

Pedro Marra
[email protected]

A ceilandense Viviane Araújo, 32 anos, ganhou a segunda luta pelo UFC no último sábado (27), em Edmonton, no Canadá, na edição 240 do maior campeonato de MMA do mundo. A brasileira derrotou a canadense Alexis Davis por decisão unânime dos juízes com três placares de 29 a 28 na categoria peso-mosca (51kg).

Vivi, como é conhecida, ganhou sua oitava luta na carreira, e a segunda no Ultimate Fighting Championship (UFC). Na estreia, ela foi chamada de última hora e venceu a também brasileira Talita Bernardo na categoria peso-galo (61kg) pelo UFC Rio 10, em maio deste ano.

Durante a luta, houve muita trocação, tanto que a adversária, Alexis Davis, ficou com o rosto bastante inchado. “Eu esperava uma luta muito dura. Já conhecia a Alexis Davis, uma atleta bastante experiente no UFC. Eu estou chegando agora na categoria peso-mosca. Sabia que ia vir uma guerra pela frente, mas eu vim preparada para essa luta”, analisa.

Ainda no octógono, após a luta, Vivi deixou um recado para as mulheres que sofrem violência doméstica. “Acredite, vocês não estão sozinhas. Todas temos muita força dentro de nós”, disse.

A brasiliense conta como conseguiu garantir a vitória diante da canadense. “Ela é um pouco mais lenta do que eu. Então a gente trabalhou a movimentação, que me faria sobressair bastante na luta com a minha trocação de perna e de base. O próximo passo é fazer grandes lutas. As meninas que se cuidem, treinem bastante, porque a Vivi está chegando na categoria peso-mosca. Vamos continuar o trabalho, que é só o começo”, vibra.

Treinador

Há seis anos como treinador de Vivi na Cerrado MMA, Anderson Carvalho, comenta a evolução da lutadora dentro do UFC. “Ela vem tendo um acompanhamento psicológico há muito tempo para as duas últimas lutas que fez. Então, tudo que ela passa no dia da luta já é trabalhado bem antes. E a cada luta, vocês verão uma evolução ainda maior nela”, projeta.

A ceilandense tem treinado muita trocação e movimentação nas últimas preparações, já que o ponto forte dela é outro: o jiu-jitsu, sendo multicampeã da modalidade. Para Anderson, isso vem fazendo total diferença para Vivi.

“A cada luta, a evolução na parte em pé dela cresce absurdamente. Tanto que das duas últimas cinco lutas, quatro foram encerradas por nocaute técnico. Com isso, resolvemos mantê-la para os próximos desafios da divisão do peso-mosca (57kg). Temos que manter a cautela e os pés no chão, mas almejamos um futuro brilhante para ela”, diz.

UFC 240

Pelo card principal no Canadá, o havaiano Max Holloway ganhou a 15ª luta após derrotar o ex-campeão do peso-leve Frankie Edgar por decisão unânime (50/45; 50-45 e 48-47). A brasileira Cris ‘Cyborg’ venceu a canadense Felicia Spencer na peso-pena (61kg), também por decisão unânime. No discurso após a vitória, a ex-campeã do peso-pena pediu uma revanche contra a dona do cinturão, Amanda Nunes, que já aceitou o desafio pelas redes sociais. A luta deve ocorrer em janeiro de 2020.


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Publicidade