Siga o Jornal de Brasília

Torcida

Diego passa por cirurgia e desfalcará Flamengo por ao menos 4 meses

A expectativa é para que o meia receba alta hospitalar até a manhã de sábado

Publicado

em

Um dia após sofrer fratura com lesão ligamentar no tornozelo esquerdo durante a derrota do Flamengo por 2 a 0 para o Emelec, no Equador, pelas oitavas de final da Copa Libertadores, o meia Diego passou por cirurgia no Rio. A operação durou quase três horas. 

A expectativa é para que o meia receba alta hospitalar até a manhã de sábado. Além disso, deverá ficar afastado dos gramados por ao menos quatro meses. Ou seja, dificilmente terá condições de defender o Flamengo no restante da temporada 2019. Além disso, ele precisará ficar os próximos 15 dias em casa. 

“A cirurgia do Diego terminou agora, lembrando, como falamos anteriormente, que é uma cirurgia complexa, considerada uma cirurgia grave. Foi realizada a sutura do ligamento, a fixação da fratura da fíbula. A previsão da alta dele é amanhã no fim do dia se tudo estiver bem, ou no sábado pela manhã. A gente espera que amanhã ele já consiga dormir em casa”, afirmou Márcio Tannure, chefe do departamento médico do Flamengo, explicando que o início do tratamento de Diego será em sua residência.

“Nos primeiros 15 dias, ele vai ficar em casa, não pode colocar carga, ou seja, não pode pisar ainda, e a partir daí inicia a fisioterapia no CT, sendo que a gente vai ter um fisioterapeuta indo na casa dele para já estar tratando lá. Como é uma lesão grave, complexa, o prazo de retorno é no mínimo de quatro meses. A gente vai fazer de tudo para que isso aconteça, acelerar o máximo, mas é uma lesão realmente que precisa de um prazo maior. A média é de quatro a cinco meses para que possa voltar aos jogos”, acrescentou o médico. 

Na última quarta, após receber uma entrada dura, Diego enroscou o tornozelo no gramado aos 26 minutos do segundo tempo. Não conseguiu se levantar, chorou de dor e deixou o campo de maca direto pra os vestiários. Posteriormente, foi levado a um hospital, onde exames preliminares apontaram a necessidade de cirurgia. 

Quando Diego deixou o campo, o Flamengo já havia realizado as três substituições, o que levou o time a terminar a partida com dez jogadores no campo, em igualdade numérica ao Emelec, pois um atleta do time equatoriano – Vega – havia sido expulso. 

Diego não é o único problema por lesão do Flamengo, pois os meias Éverton Ribeiro, Arrascaeta e o atacante Vitinho não puderam atuar em Guayaquil por estarem contundidos.

Estadão Conteúdo


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Publicidade