Siga o Jornal de Brasília

Futebol

Bruno Schmidt defende os baixinhos com ouro

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Roberto Wagner

Enviado especial ao Rio de Janeiro

Ele está longe de ser o mais baixo entre os 465 atletas da delegação brasileira nos Jogos Olímpicos – Flávia Saraiva, da ginástica, ostenta esse título com seus 1,33m de altura. Isso, no entanto, não privou o medalhista de ouro na Rio 2016, Bruno Schmidt, de sofrer com o preconceito no esporte.

Considerado baixo para a prática do vôlei de praia, ele respondeu com ouro a quem disse que com 1,85m não é possível ser um atleta de ponta.

A atuação impecável diante dos italianos Nicolai e Lupo na decisão, na madrugada de quinta-feira, tinha características de desabafo. E foi exatamente isso que o brasiliense quis expôr após a conquista.

“Tomara que esse jogo de hoje (quinta-feira) sirva para mostrar para todo mundo que nesse esporte não se pode rotular nada. Todo mundo viu que um atleta baixo tem espaço aqui. O vôlei de praia é um esporte que só precisa de coração”, vibrou Bruno.

Ciente dos problemas pelos quais o companheiro de quadra passou, Alison também externou a angústia de Bruno. “O Bruno vai implodir uma hora. Ele não demonstra o sentimento. Sei que ele está há 15 dias sem dormir direito. Sei porque estou no quarto com ele e escuto o barulho. Mas acho que depois de hoje (quinta-feira) ele vai dormir bem tranquilo”.

Referência para o jogador, o pai de Bruno, Luiz Felipe, reforçou as palavras do filho. Sempre acompanhando de perto a carreira do campeão olímpico, ele recorda que por pouco o filho não abandonou o esporte às vésperas da Olimpíada de Londres (2012).

“Queriam criar um limite de altura e ele estava fora desse limite. Ele só continuou jogando porque apresentava resultado, mas não era chamado para nada. Na Olimpíada passada ele estava de fora por critérios da CBV. Ele não teve chance. Ele era um pessoa não desejada, mas quebrou vários paradigmas e vai servir de exemplo para os outros atletas de baixa estatura”, acredita o irmão de Oscar e Tadeu Schmidt.

Curiosidades

A delegação brasileira nos Jogos do Rio é composta por 465 atletas. Flávia Saraiva, da ginástica, é a mais baixa, com 1,33m. O grandão da turma é o jogador de basquete Nenê Hilário: 2,11m. A média de altura entre todos os atletas da seleção brasileira é de 1,76m.


Leia também
Publicidade