Siga o Jornal de Brasília

Torcida

Brasiliense e Ceilândia estreiam na última divisão do futebol nacional neste sábado (21)

Publicado

em

Publicidade

Gabriel Lima
redacao@grupojbr.com

A última competição do calendário brasiliense no futebol, em 2018, começa neste sábado (21). A Série D do Campeonato Brasileiro é a chance de Ceilândia e Brasiliense fecharem a temporada com o sonhado acesso à terceira divisão nacional.

Campeão estadual em 2017, o Brasiliense manteve a base do time vice-campeão do Candangão no início deste mês. O goleiro Bruno Fuso e o volante Lucas Paiva deixaram o clube. Já os meias Rafinha e Fabinho foram emprestados para o Manaus.

De olho em voltar aos seus dias de glória e a figurar nas principais competições do País, o Jacaré abriu o cofre e investiu em reforços. As duas grandes contratações foram o atacante Michel Platini, artilheiro do Candangão pelo Sobradinho com 11 gols, e o zagueiro pentacampeão Lúcio, que disputou o último estadual pelo arquirrival Gama. “A gente vem treinar todo dia com pensamento positivo. É uma competição difícil, mas se a gente quiser alcançar grandes coisas, temos que passar por grandes desafios”, disse o experiente defensor.

Publicidade

Além da dupla, chegaram o goleiro Gabriel Gueiros e atacante Erick Flores, ambos do Boavista-RJ; os laterais Wellington Saci (Água Santa-SP) e Wanderson Lima (Uberlândia-MG); e o volante Thiago Pedra (São José-RS). O técnico Ailton Ferraz, que chegou no meio do Candagão, continua no comando da equipe.

Adversários

O Brasiliense está no grupo 10, ao lado de Dom Bosco-MT, Iporá-GO e Corumbaense-MS. O time do Mato Grosso se classificou após o quinto lugar no estadual em 2017, posição repetida neste ano. Apesar de figurar na série D, a equipe mais antiga do estado já jogou a primeira divisão nacional de 1977 à 1979. De Goiânia, o Iporá também chegou ao torneio após o quinto lugar. Nesse ano, o time só não chegou à semifinal porque teve uma vitória a menos que o Anapolina. Já o Corumbaense é um velho conhecido do times do DF. Foram os sul mato-grossenses, campeões estaduais em 2017 e vice em 2018, que eliminaram o Ceilândia da Copa Verde.

Gato Preto conhece bem o torneio

Depois do terceiro lugar no Candangão deste ano, o Ceilândia não se garantiu em nenhuma competição nacional em 2019. Se quiser jogar algum torneio grande na próxima temporada, o Gato precisa do acesso à série C do Brasileirão.

E para conseguir tal feito, o alvinegro buscou alguns destaques do estadual. Chegaram os meias Willian (Real-DF), Judivan (Gama), Gilmar (Luziânia) e Juninho (Portuguesa-SP), além da dupla de atacantes do Real-DF, Pedrinho e Daniel, além de Amoroso (Samambaia). O clube só perdeu quatro atletas, o volante Fágner, o meia Kariri e os atacantes Renan e Formiga.

Na Série D do Brasileirão de 2017, o Ceilândia foi eliminado na terceira fase do torneio, após duas derrotas para o América-RN. O meia Kabrine estava naquele grupo e segue na equipe. “É uma competição difícil, decidida em detalhes. Nós estamos motivados, sabemos da importância da competição e esperamos conseguir o acesso”, disse.

Foto: Myke Sena.

Junto com o Ceilândia, o grupo 11 traz o Sinop, do Mato Grosso, o Aparecidense, de Goiás, que recentemente eliminou o poderoso Botafogo na Copa do Brasil, além do Novo, do Mato Grosso do Sul.

SAIBA MAIS

O Brasiliense vai enfrentar o Dom Bosco-MT, amanhã, fora de casa. A bola rola a partir das 17h, na Arena Pantanal, em Cuiabá
No mesmo dia, o Ceilândia recebe o Sinop-MT, às 16h, no estádio Abadião.

Se um dos dois times subirem, um terceiro clube de Brasília entra na série D do Brasileirão de 2019. Caso seja Brasiliense, o Ceilândia é o primeiro a herdar a vaga do Jacaré, seguido do Luziânia.


Você pode gostar
Publicidade