Menu
Torcida

Brasília chega à 13ª derrota consecutiva e se aproxima de marca negativa

Os brasilienses foram superados pelos paraibanos por 102-83 em seu penúltimo do ano e podem bater a marca de 4ª pior campanha da história do NBB caso percam sua partida final

Redação Jornal de Brasília

09/04/2024 9h29

Treinador Dedé Barbosa se incomodou bastante com nova derrota; Foto: Marcello Hendriks Lobo

Por Henrique Sucena
Agência de Notícias CEUB

O Brasília recebeu a Unifacisa, nesta segunda-feira (8), e terminou a noite com sua derrota de número 31 em 35 jogos do NBB 2023/24.

As últimas 13 delas em sequência desde que o time venceu o Pinheiros em janeiro.

Grande destaque do time na temporada, Cooper ressaltou a importância de pensar no futuro e continuar se esforçando mesmo com as chances de playoffs já nulas para o time:

“Eu acho que agora é sobre se preocupar com o futuro e controlar o que a gente pode controlar. A briga pelos playoffs acabou, então agora é aproveitar o jogo e ser grato a oportunidade de jogá-lo, vindo aqui e trabalhando até o fim. Tem sido uma temporada difícil para nós, mas a gente continua se falando para se esforçar até o final que os dias melhores virão”, disse o camisa 2 da equipe.

Energia dura pouco


Brasília abre bem o primeiro quarto com pontuação alta e defesa sólida, mas rapidamente a energia do time diminui ao longo do período e a atuação volta ao nível que a equipe vem apresentando, chegando ao primeiro estouro do cronômetro com vantagem magra de 27-24 no placar.

Os norte-americanos Alaekwe e Cooper, mais uma vez, colocaram o elenco nas costas e marcaram 20 dos pontos brasilienses até então.

Os donos da casa não conseguiram iniciar a segunda parte do duelo com o mesmo ímpeto que começaram a noite.

Depois de marcar 18 na primeira metade do primeiro quarto, o Brasília chegou à metade do segundo tendo feito apenas 5, contra 12 dos paraibanos.

A equipe de Campina Grande se mostrou amplamente superior na ida para o intervalo e venceu o time da capital em placar parcial de 22-13, voltando ao vestiário com 6 de vantagem.

Mais do mesmo


Os erros que assombraram o Brasília ao longo da temporada voltaram a se repetir e o terceiro quarto veio para confirmar a décima terceira derrota consecutiva para o grupo.

O time seguiu abusando de bolas longas apesar do baixo aproveitamento (2 convertidas em 9 no período) e viu do outro lado da quadra um time organizado explorar a pouco efetiva defesa candanga para conseguir uma vitória parcial de 29-18 e chegar aos 10 minutos finais vencendo por 17.

A frustração dos atletas brasilienses com o último quarto do penúltimo jogo de uma temporada já virtualmente encerrada era visível.

O time mostrou pouca competitividade e viu seus adversários fecharem o jogo com tranquilidade.

Os pontos de esperança vieram dos jovens armadores Vilarinho e Gustavo, que aproveitaram a chance dada por Dedé Barbosa para mostrar seu valor, já visando o futuro.

O camisa 1 terminou o jogo com 13 pontos marcados em 11 minutos e ressaltou a importância da juventude nos momentos de dificuldade da equipe, enquanto Gustavo mostrou bastante solidez defensiva.

Jovens como Vilarinho ganharam minutos no final; Foto: Marcello Hendriks Lobo

Por uma despedida digna


O Brasília tem agora pela frente nesta quinta-feira (11) contra o Fortaleza B.C. o seu último compromisso da atual temporada, para tentar ao menos se despedir de sua torcida com um resultado positivo.

Com apenas 4 vitórias em 35 jogos, a tradicional equipe da capital federal vive a pior temporada de sua história e a quarta de aproveitamento mais baixo (com 11.43% até o momento) em todas as edições do NBB.

Atualmente na oitava colocação, os cearenses não devem apresentar vida fácil aos candangos.

O time nordestino ainda busca se manter entre os 8 primeiros na tabela para ter a vantagem do mando de quadra nas oitavas de final do torneio.

Com 19 vitórias, o Fortaleza se mostrou ao longo de todo o campeonato como uma equipe mais sólida e chega ao planalto central como grande favorito.

“Vai ser muito emocional. Toda vez que a temporada de basquete se encerra é difícil porque nós estamos aqui há meses treinando e viramos como uma família. Nós vamos tentar vir aqui e jogar o melhor que pudermos nesses últimos 40 minutos para tentar quem sabe uma vitória ou ao menos chegar perto. Vamos nos esforçar o máximo possível neste jogo final por nós mesmos e pelos fãs”, disse Cooper sobre a despedida.

Com a vantagem dos jogos em casa já assegurada, o Unifacisa seguem no Distrito Federal para enfrentar, nesta quarta-feira (10), o Cerrado no Ginásio da ASCEB, em jogo de vida ou morte para o clube sediado na Asa Sul, que precisa vencer seus dois jogos restantes para superar a concorrência do Botafogo e ir aos playoffs pela primeira vez.

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado