Siga o Jornal de Brasília

Promoções

Dráuzio Varella não se reconhece

Publicado

em

Advertisements

O médico oncologista Drauzio Varella escreveu o livro Estação Carandiru, no qual o filme se baseia, a partir de suas experiências. Por 12 anos, ele atendeu aos mais de 7 mil presos do maior presídio da América Latina dando assistência médica e psicológica. São relatos curtos e fragmentados de cerca de 160 personagens.

Varella afirma que não se reconhece no personagem Médico, o protagonista do filme. “Somos muito diferentes, tanto na parte física quanto no espírito. Mas, curiosamente, ele se parece muito com um irmão que perdi. Fernando tinha uma idade próxima a de Vasconcellos quando morreu. A semelhança é incrível, especialmente no olhar. Chegou a me incomodar um pouco.”

Apesar de ter participado pouco da adaptação e das filmagens, Varella só tem elogios ao filme: “É uma história humana, não apenas sobre a violência”.


Você pode gostar
Publicidade

Promoções

Dráuzio Varella não se reconhece

Publicado

em

Advertisements

O médico oncologista Drauzio Varella escreveu o livro Estação Carandiru, no qual o filme se baseia, a partir de suas experiências. Por 12 anos, ele atendeu aos mais de 7 mil presos do maior presídio da América Latina dando assistência médica e psicológica. São relatos curtos e fragmentados de cerca de 160 personagens.

Varella afirma que não se reconhece no personagem Médico, o protagonista do filme. “Somos muito diferentes, tanto na parte física quanto no espírito. Mas, curiosamente, ele se parece muito com um irmão que perdi. Fernando tinha uma idade próxima a de Vasconcellos quando morreu. A semelhança é incrível, especialmente no olhar. Chegou a me incomodar um pouco.”

Apesar de ter participado pouco da adaptação e das filmagens, Varella só tem elogios ao filme: “É uma história humana, não apenas sobre a violência”.


Você pode gostar
Publicidade