fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Votação da Previdência em Plenário será na próxima semana, diz Maia

Paulo Guedes também acredita que o texto será aprovado antes do recesso parlamentar

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Paula Beatriz
[email protected]

Nesta quinta-feira (4) o Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse em um twitte que a votação da Reforma da Previdência no Plenário da Câmara dos Deputados ficou marcada para próxima terça-feira (9). 

Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira também, em evento em São Paulo que acredita que o texto da reforma da Previdência será aprovado na Câmara dos Deputados ainda antes do recesso parlamentar.

“Estamos tendo apoio. Apesar de tudo o que se diz por aí, a grande verdade é que [há apoio do] o presidente da Comissão Especial [Marcelo Ramos], o relator [Samuel Moreira], o presidente da Câmara dos deputados [Rodrigo Maia] e, principalmente da Câmara. Acredito que a Câmara vai aprovar ainda antes das férias. Acho que semana que vem isso vai ao Congresso”, falou ele, arrancando aplausos do público presente ao evento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Votação dos destaques

A Comissão Especial da Reforma da Previdência rejeitou por 30 votos a 18, o destaque nº2, apresentado pela bancada do PL, que buscava manter as regras atuais das aposentadorias dos professores dos ensinos infantil, fundamental, médio e universitário.

Atualmente, não há idade mínima para a aposentadoria da categoria no setor privado, mas se exige tempo de contribuição de 25 anos para as mulheres e 30 anos para os homens.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No setor público, a idade mínima exigida é de 50 para as mulheres e 55 anos para os homens, além de 25 anos de contribuição para as mulheres e 30 anos para os homens – sendo 10 anos como servidor público e 5 anos no cargo de professor.

Pelo relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), passará a vigorar – tanto para os professores públicos como para os privados – idade mínima de 57 anos para mulheres e 60 anos para os homens, com 25 anos de contribuição para ambos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Hoje, Moreira argumentou que o destaque seria inadmissível, porque teria grande impacto na economia prevista pela reforma. Após a rejeição do destaque, parlamentares da oposição levantaram cartazes e cantaram que “essa comissão é contra a Educação”.

Após o destaque nº 2, o colegiado analisará outros 14 destaques de bancada que ainda restam, um de cada vez. O relatório da reforma da Previdência foi aprovado no começo da tarde por 36 votos a 13 na Comissão Especial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

Com informações do Estadão Conteúdo. 




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade