fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Sérgio Moro minimiza queixa de Ibaneis

Em evento na Embaixada da Espanha, ministro comenta queixa do governador do DF de que não foi ouvindo sobre a GLO

Vanessa Lippelt

Publicado

em

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil
PUBLICIDADE

Em coquetel servido como agradecimento pela extradição do terrorista Carlos García Juliám hoje pela manhã, na Embaixada da Espanha, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, comentou sobre as críticas do governador Ibaneis Rocha a respeito do decreto de Garantia de Lei e Ordem (GLO) publicado no Diário Oficial de hoje, sem consulta prévia à autoridade máxima do Distrito Federal.

“É importante destacar que os criminosos estão recolhidos no presídio federal, e não fora. O governo federal está atento a isso e não há reclamação de ninguém do Distrito Federal’, desdenhou Moro. “A gente compreende a posição do governador, mas é como eu disse, o governo federal está se antecipando a qualquer espécie de problema e tomando medidas severas para garantir a segurança pública.”

Decreto

O presidente Jair Bolsonaro, em decreto publicado no Diário Oficial de hoje (7), autorizou o emprego das Forças Armadas. A medida foi publicada em forma de Garantia da lei e da Ordem (GLO) e vale até 6 de maio.

O decreto também foi assinado pelo Ministro da Justiça, Sérgio Moro, e pelo general Fernando Azevedo e Silva, Ministro da Defesa.

“Fica autorizado o emprego das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem, no período de 7 de fevereiro a 6 de maio de 2020, para a proteção do perímetro externo da penitenciária federal em Brasília, Distrito Federal”, fala trecho do documento.

O decreto enfatiza também que a Defesa determine outros meios de segurança disponíveis e a áreas de autuação dos militares.

A quinta penitenciária de segurança máxima, tem 208 celas e 12,3 mil m² de área construída.

A atuação das tropas militares das Forças Militares na área externa do presídio será em harmonia com forças de segurança pública, como a Polícia Militar, e com o apoio de agentes penitenciárias do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Para entrar no presídio, são necessárias quatro revistas diferentes. Um body scan, raquete, detector de metais e revista.

 

Com informações da Agência Estado


Leia também
Publicidade