fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

País vive profunda crise política e risco de isolamento externo, diz Flávio Dino

O governador criticou também um suposto “papel desorganizador” do sistema de Justiça no Brasil

Aline Rocha

Publicado

em

PUBLICIDADE

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), avaliou nesta quinta-feira, 5, que o Brasil vive uma “profunda crise política” e que corre o risco de um “isolamento internacional”. Os comentários de Dino foram feitos durante evento com empresários em Brasília.

Mais cedo, no mesmo evento, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, havia tratado o aumento dos incêndios na Amazônia este ano como uma “falsa crise”.

Araújo também criticou a alta comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, dizendo que sua fala sobre a perda de espaço da democracia no Brasil é “totalmente absurda e baseada em ideologia”.

Em sua participação no evento com empresários, já sem a presença de Araújo, Dino afirmou que o País vive “dramática instabilidade política”. “Estamos vivendo uma dramática e abissal instabilidade política, derivada, por exemplo, até do risco, inédito, de um isolamento internacional do Brasil”, pontuou o governador.

Dificuldades institucionais

Dino afirmou ainda que, nos últimos cinco anos, o País enfrentou um quadro de dificuldades institucionais. Além disso, disse que o principal problema macroeconômico é a estratégia praticada nos últimos três anos, “ancorada numa categoria mitológica, mítica, chamada ‘retomada da confiança'”. “É muito difícil ancorar expectativas futuras sem que você incremente a demanda. Precisamos de retomada de demanda efetivamente”, defendeu.

Sistema de Justiça

O governador criticou também um suposto “papel desorganizador” do sistema de Justiça no Brasil. “Nós indevidamente confundimos ‘matar a corrupção’ com ‘matar a economia’. Isso produziu efeitos deletérios”, afirmou. “Setores econômicos inteiros foram dizimados em razão da estranha assimetria que houve em relação à introdução de duas inovações jurídicas: a delação premiada e o acordo de leniência.”

Flávio Dino participou nesta quinta-feira da conferência ‘Agenda do Brasil para Crescimento Econômico e Desenvolvimento’, promovida pelo Council of the Americas (COA) em Brasília.


Estadão Conteúdo


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade