fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Maia coloca MP do auxílio emergencial em pauta e responde Bolsonaro: “Mentiroso”

Foi incluso na medida o 13º do Bolsa Família. “Já que o governo quer o 13º do Bolsa Família, vão poder defender a medida na MP do auxílio”, rebateu Maia; na quinta (17), Bolsonaro o culpou pela ausência do 13º

Avatar

Publicado

em

Foto: Agência Câmara
PUBLICIDADE

Após ser acusado de inviabilizar o 13º do Bolsa Família, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pautou para esta sexta-feira (18) a medida provisória que prorrogou o auxílio emergencial. A novidade é a inclusão do pagamento do 13º do Bolsa Família em 2020.

A medida é uma espécie de resposta a Maia. Na quinta (17), o presidente Jair Bolsonaro o culpou por não haver 13º do Bolsa Família neste ano. “Sabia que não teve (13° para o Bolsa Família) nesse ano? Foi promessa minha? Foi. Foi pago ano passado? Foi. Mas, o presidente da Câmara deixou caducar a MP. Vai cobrar de mim? Cobra do presidente da Câmara”, disse o presidente.

Logo, Maia respondeu. Ao blog da jornalista Andréia Sadi, colunista do G1, o presidente da Câmara chamou Bolsonaro de “mentiroso”. “Já que o governo quer o 13º do Bolsa Família, vão poder defender a medida na MP do auxílio”, declarou.

Agora, o governo tenta reverter o cenário criado por Maia e tirar da pauta a votação do 13º do Bolsa Família.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro voltou a bater na tecla do nível de endividamento do Brasil para justificar o encerramento do pagamento do auxílio emergencial ao fim deste ano. Ele afirmou que a dívida interna do País está na casa dos R$ 5 trilhões e que, só na pandemia de covid-19, o endividamento cresceu cerca de R$ 700 bilhões.

O mandatário comparou a situação brasileira à do cliente de uma venda para quem o dono do estabelecimento não aceita mais vender fiado. “Não tem como dar mais”, insistiu o presidente. Na “live” semanal, ele também disse que a imprensa trata o ex-presidente do regime militar João Figueiredo como ditador, mas, segundo ele, faria referência ao cubano Fidel Castro como “presidente”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade