Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Líder da maioria diz que reforma vai preservar quem ganha até um salário mínimo

O líder fez questão de dizer que esta é “a reforma do parlamento”

Publicado

em

Publicidade

O líder da maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse que a reforma da Previdência vai “preservar o cidadão que ganha até um salário mínimo”. O líder fez questão de dizer que esta é “a reforma do parlamento”. “O parlamento brasileiro está fazendo a reforma que é justa com o Brasil. Para preservar os vulneráveis, e é nesse sentido que estamos preservando o cidadão que ganha até um salário mínimo, que não será atingido”, afirmou

Assim como Maia, Ribeiro lembrou da reforma anterior, a de Michel Temer, e disse que o texto anterior ajudou a melhorar o ambiente para a reforma agora. “Naquele instante tínhamos um instante bastante diferente. Um ambiente hostil sobre a Previdência, como muitas dúvidas”, disse.

Ele afirmou que, agora, os líderes terão de se esforçar para aprovar a reforma. “Cada um de nós vai ter de envidar esforços para que se possa chegar à aprovação e que essa reforma seja justa para o povo”, disse.

Durante a coletiva de imprensa com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP), e líderes partidários, deputados da oposição questionaram o motivo de não terem sido convidados para o evento e disseram que Moreira não poderia estar antecipando seu parecer fora da comissão especial que analisa a proposta.

Publicidade

A líder da minoria, Jandira Feghalli (PCdoB-RJ), afirmou que Moreira estava sendo parcial ao não convidar a oposição para o debate desta quarta-feira, 12. Já o líder do PDT, André Figueiredo, disse que a reunião era um “conluio”. Deputados favoráveis à reforma protestaram e um bate-boca foi iniciado entre os deputados. “É uma reunião informal dos partidos que apoiam essa reforma, não tem nada de anormal aqui”, rebateu o líder do MDB, Baleia Rossi.

A reunião voltou ao normal com o início da fala de Samuel Moreira.

Estadão Conteúdo.


Você pode gostar
Publicidade