fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Impeachment de Witzel será definido em tribunal misto por desembargadores de perfil técnico

Se ao menos sete integrantes do tribunal derem voto favorável, Witzel sofrerá o impeachment

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

ANA LUIZA ALBUQUERQUE E CATIA SEABRA
RIO DE JANEIRO, RJ

A formação do tribunal misto que julgará o impeachment do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), foi concluída nesta terça-feira (29). O grupo é composto por cinco desembargadores e cinco deputados estaduais.

Se ao menos sete integrantes do tribunal derem voto favorável, Witzel sofrerá o impeachment. Dessa forma, para escapar ele precisa garantir 4 entre 10 votos. Como os deputados da Assembleia do Rio se posicionaram por unanimidade a favor do afastamento do governador, o entendimento é de que o futuro de Witzel está nas mãos dos desembargadores.

Já afastado temporariamente do cargo pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), Witzel é acusado de ter chefiado um esquema de desvio de recursos destinados ao combate à pandemia do novo coronavírus.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sorteados na segunda-feira (28), os cinco magistrados que integram o tribunal acumulam anos de experiência na área cível e são vistos como desembargadores de perfil técnico. São eles: Teresa de Andrade Castro Neves, José Carlos Maldonado de Carvalho, Maria da Glória Bandeira de Mello, Fernando Foch de Lemos Arigony da Silva e Inês da Trindade Chaves de Melo.

Já os deputados Alexandre Feitas (Novo), Waldeck Carneiro (PT), Chico Machado (PSD), Dani Monteiro (PSOL) e Carlos Macedo (Republicanos) foram eleitos nesta terça-feira (29) pela Assembleia para compor o grupo.
Entre os magistrados, dois atuam na 6ª Câmara Cível: Teresa Castro Neves e Inês Chaves de Melo. Teresa é desembargadora desde 2013 e tem vasta experiência em varas cíveis e de Fazenda Pública.

Especialista em improbidade administrativa, Inês tornou-se desembargadora em 2010. Ela é presidente do Fórum Permanente de Transparência e Probidade Administrativa.

Desembargadora há um ano e meio, Maria da Glória atua na 20ª Câmara Cível e se destaca como professora de direito das obrigações. Antes de ingressar na magistratura, em 1995, trabalhou como professora de violão e advogou para uma grande empresa da área da construção civil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desembargador com assento na 3ª Câmara Cível, Fernando Foch também ensaiou uma carreira longe da Justiça. Ele foi jornalista e trabalhou na Folha de S.Paulo e na TV Globo. Ingressou na magistratura em 1984 e se tornou desembargador em 2005. Introspectivo e estudioso, Foch é apontado nos bastidores como o mais preparado para integrar o tribunal.

Em 2018, teve grande repercussão sua decisão de permitir que menores de 14 anos acompanhados por responsáveis visitassem a exposição Queermuseu. A mostra chegou a ser suspensa em Porto Alegre após ataques de conservadores, e transferida para o Rio de Janeiro.

Em entrevista ao site Conjur em 2010, Foch defendeu uma legislação mais rigorosa para crimes mais graves. “A nossa legislação penal e processual penal não corresponde ao que a sociedade quer. E a nossa legislação, que não é obra do juiz, é leniente”, disse.

Já o magistrado José Carlos Maldonado de Carvalho é o único entre os integrantes do tribunal que tem uma veia mais política. Desembargador desde 2003, com assento efetivo na 1ª Câmara Cível, Carvalho será candidato à vice-presidência do Tribunal de Justiça fluminense nas próximas eleições. Juiz desde 1988, já foi promotor em Minas Gerais e é professor de direito do consumidor e direito civil na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para que Witzel sofra o impeachment, primeiramente o tribunal misto ainda precisa acatar a denúncia contra o governador afastado. Os próximos passos do processo começam com a definição de uma data para a instalação do tribunal –que será marcada após a publicação da lista dos integrantes do grupo no Diário Oficial. No mesmo dia, também será sorteado o relator.

Em seguida, Witzel será notificado e terá 15 dias para apresentar sua defesa. A partir dessa resposta, o relator terá um prazo, ainda não definido, para se manifestar a favor ou contra a instauração do processo no tribunal. Os demais integrantes também votarão pela aceitação ou pelo arquivamento da denúncia. Nessa fase, é necessária apenas maioria simples (pelo menos seis votos) para o prosseguimento do processo.

Em caso de empate, o presidente do Tribunal de Justiça do Rio, Claudio de Mello Tavares, que também presidirá a comissão mista, ficará responsável pela decisão. Se o tribunal aceitar a denúncia, começará a contar o prazo de 180 dias para a finalização do julgamento que decidirá, por maioria qualificada de dois terços, se Witzel sofrerá o impeachment.

Witzel nega qualquer envolvimento em irregularidades, afirma ser vítima de um “linchamento moral e político” e diz que a democracia está em risco no país. “Se essa Casa aderir ao lavajatismo, não haverá mais quem possa defender a sociedade. Vejo que já está formada a unanimidade, eu já estou sendo condenado pela Assembleia sem direito de defesa”, afirmou no último dia 23, durante sessão do Legislativo fluminense que definiu o prosseguimento do impeachment.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O governador afastado é alvo de duas denúncias da PGR (Procuradoria-Geral da República) sob acusação de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A PGR afirma que Witzel utilizou-se do cargo para estruturar uma organização criminosa, na qual fornecedores do estado teriam pago R$ 554.236,50 em propinas ao escritório de advocacia de sua esposa, Helena Witzel. Os investigadores sustentam que, a partir da eleição de Witzel, estruturou-se uma organização criminosa dividida em três grupos, representados por quatro empresas, que disputavam o poder no governo do estado mediante o pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos.

A denúncia descreve que na área da saúde o grupo instituiu um esquema de uma espécie de “caixinha” para o pagamento dessas vantagens, principalmente por meio do direcionamento de contratações de organizações sociais e na cobrança de um “pedágio” sobre a destinação de restos a pagar aos fornecedores.

Em sua delação, o ex-secretário de Saúde Edmar Santos afirmou que os recursos desviados da Saúde iam para um caixa único e um montante de 20% era destinado a Witzel. Segundo o ex-secretário, outros 20% eram destinados ao Pastor Everaldo, presidente nacional do PSC.

Uma das operações apontadas como suspeitas foi a contratação da OS (organização social) Iabas para gerir hospitais de campanha. De acordo com os investigadores, a Iabas contribuiu com a “caixinha de propina”.
Interceptações telefônicas e um ofício assinado pelo governador afastado são apontados pelos investigadores como indicativos de sua participação em irregularidades.

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade